Entidades da Unifesp: 30 de Maio em defesa da educação!

NOTA CONJUNTA DAS ENTIDADES DA UNIFESP A FAVOR DA EDUCAÇÃO – ATO 30 DE MAIO Em apenas cinco meses de Governo Bolsonaro, ocorreu uma sucessão de ataques à Universidade Pública e à autonomia universitária. O contingenciamento de 30% nas Universidades Federais fará com que o ensino superior e as pesquisas fiquem estagnadas e, desse modo, não conseguiremos avançar em ensino, pesquisa e extensão. Esses cortes … Continuar lendo Entidades da Unifesp: 30 de Maio em defesa da educação!

NÃO À INTIMIDAÇÃO DO GOVERNO E DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO AOS PROFESSORES E PROFESSORAS!

A Associação dos Docentes da Unifesp (Adunifesp-SSind) vem a público expressar sua indignação e repúdio às recentes declarações do governo e especialmente do Ministro da Educação sobre a importância das Ciências Humanas no ensino superior, nas áreas citadas de Filosofia e Sociologia, assim como aos ataques à autonomia universitária e à liberdade de cátedra, incentivando intimidação e censura dentro das salas de aula.

Continuar lendo “NÃO À INTIMIDAÇÃO DO GOVERNO E DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO AOS PROFESSORES E PROFESSORAS!”

NOTA de SOLIDARIEDADE

Os docentes da Unifesp reunidos em Assembleia Geral no dia 22 de abril de 2019 manifestam sua solidariedade à Camila Marques, professora do Instituto Federal de Águas Lindas-GO e Coordenadora Geral do Sinasefe, pelo cerceamento de liberdade sofrido em 15 de abril. Com o objetivo de proteger seus alunos contra a ação arbitrária da Polícia Civil no campus a professora acabou sendo detida. Repudiamos a … Continuar lendo NOTA de SOLIDARIEDADE

Nota de solidariedade às (os) trabalhadoras (es) do RU do campus Baixada Santista da Unifesp

A Associação dos Docentes da Unifesp (ADUNIFESP-SSind), vem a público manifestar sua solidariedade às/aos trabalhadoras/es contratadas/os pela empresa Prato Certo, que presta serviços ao Restaurante Universitário do Campus Baixada Santista da Universidade Federal de São Paulo. Desde ontem, 08 de abril de 2019, as/os trabalhadoras/es paralisaram suas atividades. Além de melhores condições de trabalho (são apenas seis para atender diariamente a mais de 700 estudantes; … Continuar lendo Nota de solidariedade às (os) trabalhadoras (es) do RU do campus Baixada Santista da Unifesp

PREOCUPAÇÕES COM A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

PREOCUPAÇÕES DA ADUNIFESP-SSIND COM A REFORMA DA PREVIDÊNCIA E OS EFEITOS NOCIVOS SOBRE OS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 

Considerando as informações veiculadas pela imprensa, pelos sindicatos e associações de classe, ainda sem o projeto/texto oficial da Reforma da Previdência apresentado ao Congresso, a Adunifesp-SSind manifesta-se preocupada com os seguintes pontos:

1. LIMITAÇÃO DO ACESSO À APOSENTADORIA

  • Idade mínima de 65 anos para homem e 62 para mulher (para atingir 100% do benefício). Atualmente é de 60 anos para homem e 55 para mulher;
  • Tempo de contribuição de 40 anos (para atingir 100% do benefício). Atualmente o tempo é de 35 anos para homem e 30 para mulher;
  • Para servidores públicos o tempo mínimo de contribuição passa a ser de 25 anos. Atualmente é de 15 anos.

2. DIMINUIÇÃO DO VALOR DOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS E ASSISTENCIAIS

  • Para os servidores públicos, que contribuem com 11% de seu salário, admitidos entre 2003 e 2012 ? aposentadoria no valor de 80% da média dos salários dos contribuintes; e para os admitidos a partir de 2013 ?recebe o teto do INSS (R$5.189,82) como aposentadoria. Ou seja, valores inferiores aos patamares da carreira (da base para contribuição)e ainda relaciona-se com efeitos negativos de outras políticas, como por exemplo, a reforma trabalhista que pode afetar a base da contribuição previdenciária ao achatar os salários base de cálculo;
  • Regras de transição: o trabalhador com mais de 50 anos, se homem; ou 45, se mulher, que poderão se aposentar antes dos 65 anos, desde que cumpram o restante do tempo de contribuição vigente com acréscimo de 50%.

3. LIMITAÇÃO/PROIBIÇÃO DO ACUMULAÇÃO DE BENEFÍCIOS

  • Limita acúmulo de pensão e aposentadoria, com desconto progressivo. Atualmente é permitido o acúmulo de pensões em valores integrais. Distante de um privilégio, especialmente o acúmulo de pensão de morte do cônjuge e aposentadoria, o benefício garante a sobrevivência familiar nas faixas de baixa renda.

4. AUMENTO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

  • A contribuição pode chegar até 22% para os servidores ativos, aposentados e pensionistas. Atualmente a alíquota é fixa em 11%.

5. PRIVATIZAÇÃO DA PREVIDÊNCIA

  • Criação de sistema de capitalização a ser regulamentado por lei complementar. Esse regime, na prática, é a privatização da Previdência, que deixa de ser social e pública, para ser feita por fundos de pensão privados. Como num plano de saúde, o trabalhador contribui individualmente. O governo não contribui, nem as empresas. Atualmente a Previdência conta com a contribuição da empregadora, governo e trabalhador.

Continuar lendo “PREOCUPAÇÕES COM A REFORMA DA PREVIDÊNCIA”