Arquivo mensais:julho 2013

ANDES-SN divulga Carta de Santa Maria, documento síntese do 58º Conad

A Carta de Santa Maria, documento político que traz a síntese das deliberações do 58º Conselho do ANDES-SN (Conad), realizado entre 18 e 21 de julho em Santa Maria (RS), foi divulgada pelo Sindicato Nacional e está disponível para leitura. Além das resoluções do Conselho, o texto também fala sobre os desafios para o próximo período. O 58º Conad contou com a participação de 53 Seções Sindicais, 49 delegados, 77 observadores, 34 diretores e dois convidados.

A Carta afirma que, durante a análise de conjuntura e a atualização do Plano de Lutas do Sindicato deliberado pelo 32º Congresso, o ANDES-SN acertou nas análises feitas quanto à dinâmica econômica e social estabelecida pelas políticas de governo, entre elas a priorização do capital que traz graves consequências ao trabalhador, como a retirada de direitos, a precarização e intensificação do trabalho, o crescimento do individualismo e do conservadorismo.

Somadas a estas questões, as manifestações que tomaram às ruas do país nos últimos meses cobraram direitos a serviços garantidos pela Constituição Federal, como educação, saúde, direito de ir e vir, segurança, entre outros, pautas que já faziam parte das reivindicações de sindicatos, como o ANDES-SN e movimentos organizados. “Na perspectiva de fazer o Sindicato avançar entre os professores e ampliar a articulação de classe com todos os trabalhadores, bem como estabelecer um diálogo com todos os brasileiros, a demonstrar a luta dos professores, a educação pública e gratuita, a saúde, a aposentadoria, entre outros, são partes integrantes da luta do Sindicato, pelas quais foi criado e subsiste com a classe trabalhadora, os docentes presentes no 58º Conad, de forma democrática e concisa, aprofundaram a discussão e tomaram as deliberações[…]”.

Entre as decisões tomadas pelo 58º Conad, foram deliberadas várias questões relacionadas à organização e fortalecimento do Sindicato Nacional; ciência e tecnologia; à proposta de Projeto de Lei de Iniciativa Popular da Comunicação Social Eletrônica – Lei da Mídia Democrática -; luta contra o Plano Nacional de Educação (PNE), a Ebserh, o Funpresp; dar continuidade às lutas articuladas conjuntamente com os demais servidores públicos federais e no âmbito do Espaço de Unidade de Ação, além de fortalecer o Cnesf, o Fórum Nacional de Entidades dos SPF. (confira a Carta de Santa Maria na íntegra)

Também foi aprovado um calendário de lutas para o segundo semestre de 2013, com ênfase no dia 6 de agosto – Dia Nacional de Atos nos Estados e no DF contra o PL 4330 sobre terceirização – e dia 30 de agosto – Dia Nacional de Paralisações, Manifestações e Greves -, convocado pelas centrais sindicais.

Ao final, o documento afirma que o 58º Conad cumpriu seu papel de conselho fiscal e a tarefa designada pelo 32º Congresso de atualizar o plano de lutas para todos os docentes organizados na base do ANDES-SN. “Todas as suas resoluções referendam e aprofundam as tarefas que lhe foram designadas. O 58º CONAD, neste momento em que as lutas no Brasil recrudescem com o povo nas ruas, tem claro qual é o papel dos docentes: ampliar os nossos esforços na defesa de uma organização sindical autônoma e classista com o conjunto dos trabalhadores; aprofundar nossa relação política com todos os professores; implementar nossa luta pelo avanço contínuo de nossas propostas de luta, pela educação, saúde, direitos do trabalho, ciência e tecnologia expressos no plano de lutas do Sindicato”.

Nesta quinta-feira (25), o documento foi encaminhado por meio da circular nº 126/2013, para as Seções Sindicais, Secretarias Regionais e diretores do ANDES-SN.

Fonte: ANDES-SN

Trabalhadores voltam às ruas em agosto e ANDES-SN chama docentes à mobilização

Dia 6 marcará a luta contra o PL 4330, das privatizações, e em 30 de agosto, as centrais convocam “Dia Nacional de Paralisação”

Nos dias 6 e 30 de agosto, os trabalhadores de todo o país devem voltar às ruas em protesto à política econômico-social do governo, que segue sem dar resposta efetiva às inúmeras reivindicações apresentadas pela população nas manifestações que ocorrem por todo o Brasil há mais de dois meses. O dia 6 irá marcar a luta contra o PL 4330, das Terceirizações. Já em 30 de agosto, acontece o “Dia Nacional de Paralisação”, com uma pauta unitária.

As datas foram convocadas pelas centrais sindicais – CSP-Conlutas, a CUT, a CTB, a UGT, a NCST, a CSB –, e integram o calendário de lutas do ANDES-SN para o próximo período, que foi aprovado durante o 58º Conad, realizado entre os dias 18 e 21 de julho, em Santa Maria (RS).

Para ressaltar a importância em se debater integrar as mobilizações nestas duas datas, o ANDES-SN enviou a circular nº 128/2013, indicando às seções sindicais a realização de assembleias gerais “para que estabeleçam, de acordo com suas deliberações, a participação e as atividades a serem preparadas para os dias 6 e 30 de agosto”. Confira aqui o documento.

“Nesse momento é fundamental que cumpramos nosso papel, sem atropelar as nossas formas organizativas democráticas pela base, para ampliar e fortalecer a participação dos docentes nas ações orientadas pelo Sindicato Nacional e pela nossa central – CSP Conlutas”, ressalta a circular assinada pela presidente do ANDES-SN, Marinalva Oliveira.

Marinalva ressalta a importância dos docentes participarem da organização dos atos em suas cidades, junto às demais entidades representativas dos trabalhadores. “Precisamos fortalecer a mobilização no dia 6, que traz como pauta uma das nossas bandeiras históricas, que é a luta contra a terceirização dos serviços em todos os setores, para realizar mais um grande dia nacional de paralisação, em 30 de agosto”, destaca a presidente do ANDES-SN.

Confira os eixos da pauta unificada proposta pelas Centrais:

– redução do preço e melhor a qualidade dos transportes coletivos;
– mais investimentos na saúde e na educação pública;
– fim do fator previdenciário e aumento das aposentadorias;
– redução da jornada de trabalho;
– salário igual para trabalho igual, combatendo a discriminação da mulher no trabalho;
– fim dos leilões das reservas de petróleo;
– contra o PL 4330, da terceirização;
– Reforma Agrária.

Fonte: ANDES-SN

Adunifesp-SSind apoia nota do Conselho Universitário sobre o programa “Mais Médicos”

A Adunifesp-SSind solidariza-se com a posição tomada pelo Consu sobre o programa “Mais Médicos”, do Governo Federal. Em nota divulgada após a reunião do dia 10 de julho, o Consu exprimiu preocupação com o teor da proposta anunciada do programa já que “busca resolver a ampliação do acesso ao SUS, por meio de caminho que estreita a concepção de saúde respaldada pela Constituição”.

Em concordância com a nota do Consu, reiteramos que a Saúde requer, não apenas mais médicos, mas especialmente mais financiamento para a ampliação da rede serviços visando a prevenção, promoção e assistência; o que envolve desde saneamento básico até educação em saúde. Além disso, salientamos a necessidade e a importância do diálogo.

Defendemos que qualquer medida sobre o assunto deva ser tomada somente após amplo debate público que envolva toda a sociedade e, inclusive, com participação das Universidades Públicas.

Confira a íntegra do comunicado do Conselho Universitário da Unifesp:

NOTA DO CONSU SOBRE A PROPOSTA GOVERNAMENTAL MAIS MÉDICOS DE AMPLIAR ACESSO AO SUS
O Conselho Universitário da UNIFESP, em reunião ordinária de 10 de julho de 2013, vem a público trazer a preocupação com a proposta do Governo Federal, que busca resolver a ampliação do acesso ao SUS, por meio de caminho que estreita a concepção de saúde respaldada pela Constituição. A atenção Integral à Saúde requer condições de ampla rede de serviços para a prevenção, promoção e assistência, que vão muito além do aumento do número de médicos no país: desde o saneamento básico e educação básica – medidas intersetoriais essenciais para a saúde – bem como unidades básicas com equipes multiprofissionais completas, serviços de atenção ambulatorial e apoio diagnóstico, unidades socorristas e hospitalares.

O CONSU vem a público defender o acesso ao SUS, mas quaisquer medidas para garantir o direito à saúde devem resultar de um amplo debate público e que a universidade – instituição formadora – participe das soluções e não apenas tenha o papel de operadora de decisões já tomadas.

Profª Drª Soraya Soubhi Smaili
Reitora
Presidente do CONSU

Participantes do 58º Conad podem fazer credenciamento prévio no dia 18 de julho

Na próxima semana, entre os dias 18 e 21 de julho, a cidade de Santa Maria (RS) sediará a 58ª edição do Conselho do ANDES-SN (Conad), que contará com a participação de docentes de todo o país. A fim de facilitar o processo de inscrição nos eventos nacionais do Sindicato Nacional, os delegados e observadores poderão fazer o credenciamento prévio no dia 18 de julho, quinta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 18h.

O credenciamento prévio também é uma forma de se evitar a formação de longas filas. De acordo com a circular nº 74/2013, até 17 de julho será recebida a documentação regimental para inscrição de delegado (a) e observadores (as). Pelo menos um representante de cada Seção Sindical ou Secretaria Regional, credenciada previamente, deverá comparecer à Secretaria do 58º Conad, no dia 18 de julho, para confirmação de presença.

Documentação
Para realizar o credenciamento, é necessária a seguinte documentação: ata da assembleia, assinada pelo presidente e secretário da Mesa, em que foi escolhido o delegado ao 58º Conad, acompanhada da respectiva lista de presença; comprovação pela Seção Sindical de quitação com a Tesouraria, incluindo a contribuição correspondente ao mês de junho e repasse de parcelas de acordos efetuados anteriormente, se houver; comprovação pela Seção Sindical de pagamento de acordos referentes ao Fundo Único e Rateios de Conad e Congresso, se houver.

Traslado e hospedagem
Outras informações sobre a 58ª edição do Conselho do ANDES-SN, relacionadas à traslado, hospedagem, pauta e cronograma estão disponíveis na Circular nº 74/2013, enviada pelo ANDES-SN às Seções Sindicais, Secretarias Regionais e aos diretores do Sindicato Nacional em maio de 2013 (confira o documento).

Fonte: Andes-SN

Docentes de todo o país integram paralisação geral desta quinta (11)

Atendendo ao chamado do ANDES-SN, várias seções sindicais já se somam às atividades marcadas esta quinta-feira (11) nas suas cidades e estados, agregando reivindicações específicas dos docentes às bandeiras unificadas da classe trabalhadora que compõem a pauta geral do Dia Nacional de Lutas com Greves e Mobilizações, com o tema “Pelas liberdades democráticas e pelos direitos dos trabalhadores.

Em todo o Brasil, este dia 11 de julho será marcado por greves, mobilizações e outras atividades reivindicatórias, em virtude do Dia de Lutas organizado pelas oito centrais sindicais brasileiras (CSP-Conlutas, CUT, UGT, Força Sindical, CGTB, CTB, CSB e NCST), com a participação do MST, Dieese, Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (SPF) e outros setores articulados no âmbito do Espaço de Unidade de Ação.

“O dia 11 de julho vai ter como marco central fortalecer a luta dos trabalhadores, para daí definirmos novas práticas e novas ações”, ressalta Marinalva Oliveira, presidente do ANDES-SN, completando que, neste dia, a palavra de ordem será “Nenhum direito a menos para os trabalhadores”.

Confira abaixo mais algumas seções sindicais já informaram ao Sindicato Nacional a adesão à paralisação e realização de atividades locais:

Sergipe: Professores da UFS deliberaram por paralisar as atividades docentes na UFS no dia 11 de julho, em apoio à greve geral convocada pelas centrais sindicais brasileiras. Na última semana, uma série de atividades foi realizada em preparação para o dia 11, como o ato Acorda Aracaju na terça (2) e o debate sobre os Protestos Populares no Brasil Atual, na quarta (3), no auditório da Adufs-SE, com a presença das centrais sindicais e movimentos estudantil e da juventude: CUT, CSP-Conlutas, Levante Popular da Juventude, Movimento Não Pago e UJC.

Brasília: Docentes da UnB também decidiram paralisar suas atividades nesta quinta-feira e participar de ato público em conjunto com outras entidades do Distrito Federal. A concentração dos professores da UnB será na Praça Chico Mendes, às 14h, de onde seguirão para a Esplanada dos Ministérios, para se unir às demais categorias. A concentração do ato unificado está marcada para às 15h, em frente ao Museu da República. De lá, os manifestantes seguirão rumo ao Congresso Nacional. O Fórum Nacional das Entidades dos Servidores Públicos Federais, do qual o ANDES-SN participa, deve realizar uma parada em frente ao Ministério do Planejamento e já solicitou audiência com a ministra Miriam Belchior.

Maranhão: Professores da UFMA, além de paralisar suas atividades neste dia 11, participam de atividades em conjunto com o DCE da UFMA e com os demais trabalhadores da universidade nesta quinta-feira. A concentração para as atividades da manhã será na entrada do campus universitário do Bacanga, a partir das 7 horas, e à tarde os docentes participarão de atividade conjunta com os demais sindicatos e centrais, cuja concentração será na praça Deodoro, centro de São Luiz, a partir das 15h30.

Ceará: Docentes da Uece também irão paralisar suas atividades e participar de ato unificado com as demais Centrais e os Movimentos Sociais do Ceará. A concentração para o ato será às, 9h, na Praça do Ferreira, no centro de Fortaleza.

Alagoas: Professores da Ufal também vão paralisar suas atividades e participar das manifestações do Dia Nacional de Lutas nesta quinta-feira. A concentração dos docentes está marcada para as 14h na sede da Adufal, de onde eles seguirão em direção à Praça do Centenário, no centro de Maceió, para participar do Ato Público a ser realizado às 15h em conjunto aos demais trabalhadores.

Pernambuco: A Adufepe (SSind) deliberou pela paralisação, com mobilização em frente a entrada do campus Recife, a partir das 9h.

Paraíba: A Adufpb adere à paralisação com realização de ato no centro de João Pessoa (PB), junto com outras categorias. Os docentes da UFCG também vão paralisar suas atividades no dia 11. Além da paralisação, os professores da UFCG decidiram pela obstrução dos portões do campus Central, a partir das 7h de quinta-feira, a realização de panfletagem antecedendo a paralisação e a realização de uma marcha que sairá da instituição, em Bodocongó, até o centro da cidade.

Espírito Santo: Os professores da Ufes decidiram suspender as atividades no dia 11 de julho. A decisão da categoria foi tomada em Assembleia Geral nesta quinta-feira (4), na sede do sindicato, no campus de Goiabeiras (Ufes), em Vitória. No dia da paralisação, docentes irão se concentrar às 9 horas, em frente ao Teatro Universitário da Ufes e seguir em passeata até a Assembleia Legislativa. A Adufes preparou faixas e outros materiais para o evento e cartazes serão confeccionados na área da concentração.

Rio Grande do Norte: Os professores e estudantes da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern) decidiram paralisar as atividades no próximo dia 11 de julho. A paralisação foi deliberada em conjunto pela e pelo DCE da instituição. Já os professores e estudantes da Uern entram na luta por uma universidade de qualidade, pública, gratuita, por mais verbas, melhores condições de trabalho, infraestrutura decente e assistência estudantil digna. Em Mossoró, a agenda de atividades está sendo construída em conjunto com outras entidades e deverá ser definida na próxima segunda-feira, 8.

Pará: Os professores da UFPA devem paralisar suas atividades por 24 horas no próximo dia 11 de julho. A decisão foi tomada em assembleia geral da Adufpa na manhã desta quinta-feira (4), que analisou a conjuntura e destacou a necessidade da categoria aderir à paralisação e fortalecer este processo de luta. Oo dia de paralisação será marcado por mobilizações no âmbito da UFPA, além de um ato público em conjunto com as diversas categorias em luta, que deve ocorrer no dia 11 de julho nas ruas do centro de Belém.

Piauí: Os professores e Técnico-Administrativos da UFPI vão paralisar suas atividades por 24 horas neste dia 11 de julho. A decisão foi tomada em assembleia geral das categorias na manhã desta terça (9). Além da paralisação, docentes e funcionários da UFPI irão realizar, pela manhã, panfletagem na entrada da universidade e uma caminhada pelo campus, com ato de encerramento em frente à Reitoria. Á tarde, docentes da UFPI e da UESPI irão participar do Ato Público que acontecerá às 14h30 na praça da liberdade, no centro de Teresina. Os docentes da Uespi avaliaram que não valeria a pena parar as atividades no dia 11, pois nesta data o semestre letivo já estará encerrado, mas, pela manhã, estarão no campus Torquato Neto fazendo panfletagem. O panfleto cobra as nomeações dos classificados e isonomia salarial para os substitutos.

Santa Maria (RS): Professores da UFSM decidiram, em assembleia realizada nesta quarta-feira (10), também paralisar suas atividades neste dia 11 de julho. Os docentes da UFSM ainda irão se juntar aos demais trabalhadores da área pública e privada de Santa Maria nas manifestações do dia 11 de julho, que começam a partir das 9h na principal praça da cidade, a Saldanha Marinho, e encerra às 17h com a realização de uma marcha pelas principais ruas e avenidas da cidade.
Rio de Janeiro: Professores da Uerj, UFF, UFRRJ e UFRJ também irão paralisar suas atividades neste dia 11. Além da paralisação, os professores vão realizar, em conjunto com trabalhadores da saúde, o “Universidade na Praça” e “Saúde na Praça”, que acontece a partir das 13h, na Praça 15, centro do Rio de Janeiro. Em seguida, trabalhadores dos dois setores irão se juntar aos demais trabalhadores no ato conjunto, cuja concentração está prevista para as 17h na Candelária. A manifestação deve reunir os docentes das universidades Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Federal Fluminense (UFF), Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), Estadual do Rio de Janeiro (Uerj).

Bahia: Os professores da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) deliberaram pela paralisação das atividades acadêmicas na quinta-feira (11). Os docentes irão realizar panfletagem no pórtico da Uefs, das 7h às 9h, e, em seguida, seguirão para a concentração em frente à Prefeitura de Feira de Santana, onde, juntamente com outras entidades e movimentos socais, realizarão um Ato Público. Também foi aprovada a participação dos docentes na passeata em Salvador, saindo do Campo Grande às 11h, em direção à Praça Castro Alves.

A Associação dos Professores Universitários do Recôncavo (APUR) se unirá ao Sindicato dos Trabalhadores Técnico -administrativos da UFBA e UFRB (ASSUFBA), ao Movimento Estudantil da UFRB e à Manifestação Vem pra rua Cruz das Almas, para o ato público que acontecerá na cidade de Cruz das Almas. O ato terá início às 8h com fechamento dos portões da UFRB. Às 9h os manifestantes seguirão para a Praça Senador Temístocles, onde às 10 horas haverá uma aula pública.

Em Vitória da Conquista, por deliberação da assembleia, a Adusb participa de um fórum que reúne diversas entidades e está organizando atividade conjunta para marcar o dia de paralisação na cidade.

Minas Gerais: Docentes da Universidade Federal de Uberlândia irão paralisar suas atividades nesta quinta e participar de ato público em conjunto com outros sindicatos, movimentos sociais e estudantil. O ato terá concentração a partir das 14h, na Praça Tubal Vilela, Centro de Uberlândia, e os manifestantes devem percorrer as principais ruas do centro da cidade em direção ao prédio da Prefeitura Municipal de Uberlândia. Lá, uma comissão de representantes do movimento deverá entregar um documento ao Prefeito Municipal.

Docentes da UFV também irão paralisar suas atividades nesta quinta e entregar, às 16h, um documento solicitando a reunificação dos calendários na Reitoria da instituição. Em seguida, os docentes irão participar da Marcha do Movimento “Viçosa que queremos”. Docentes do Sindcefet-MG também irão paralisar as atividades neste dia 11. Já os professores da UFJF devem participar do ato público que acontecerá a partir das 15h na Câmara Municipal de Juiz de Fora. Nessa tarde, será realizada uma audiência pública do Legislativo sobre o preço da tarifa do transporte público em Juiz de Fora.

Fonte: ANDES-SN

Seções Sindicais do ANDES-SN se somam às manifestações de julho

Em todo o Brasil, o dia 11 de julho será marcado por greves, mobilizações e outras atividades reivindicatórias, em virtude do Dia Nacional de Lutas organizado pelas oito centrais sindicais brasileiras (CSP-Conlutas, CUT, UGT, Força Sindical, CGTB, CTB, CSB e NCST), com a participação do MST, Dieese, Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (SPF) e outros setores articulados no âmbito do Espaço de Unidade de Ação.

Seguindo orientação do ANDES-SN, várias seções sindicais já se somam às atividades marcadas para o dia 11 de julho nas suas cidades e estados, agregando reivindicações específicas dos docentes às bandeiras unificadas da classe trabalhadora que compõem a pauta geral do Dia Nacional de Lutas.

Confira abaixo algumas seções sindicais já informaram ao Sindicato Nacional a adesão à paralisação e realização de atividades locais: Adufepe (PE), Adufpb (PB), Adufmat (MT), Adufpel (Pelotas-RS), Adua (AM), Aduern (RN), Adufpa (PA), Adcesp (PI), Sedufsm (Santa Maria-RS), Sindunivasf (Vale do São Francisco – PE), Adurj (RJ), Aduff (RJ), Asduerj (RJ), Adusb (BA), Adufes (ES), Adufcg (PB). Várias seções sindicais realizam assembleia nesta segunda (8), para decidir como integrar os atos no dia 11.

Pernambuco: A Adufepe (SSind) deliberou pela paralisação, com mobilização em frente a entrada do campus Recife, a partir das 9h.

Paraíba: A Adufpb adere à paralisação com realização de ato no centro de João Pessoa (PB), junto com outras categorias. Em Campina Grande, os docentes da UFGC também devem realizar manifestação nas ruas da cidade.
Vitória da Conquista (BA): Por deliberação da assembleia, a Adusb participa de um fórum que reúne diversas entidades e está organizando atividade conjunta para marcar o dia de paralisação na cidade.

Espírito Santo: Os professores da Ufes decidiram suspender as atividades no dia 11 de julho. A decisão da categoria foi tomada em Assembleia Geral nesta quinta-feira (4), na sede do sindicato, no campus de Goiabeiras (Ufes), em Vitória. Além da paralisação, os docentes també m devem realizar uma série de atividades e reuniões até o dia 11, entre elas, uma palestra sobre a conjuntura política nacional, a integração às manifestações e os desafios colocados para classe trabalhadora e as organizações sociais e populares e uma reunião para discutir estratégias de mobilização para o dia 11.

Rio Grande do Norte: Os professores e estudantes da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern) decidiram paralisar as atividades no próximo dia 11 de julho. A paralisação foi deliberada em conjunto pela e pelo DCE da instituição. Já os professores e estudantes da Uern entram na luta por uma universidade de qualidade, pública, gratuita, por mais verbas, melhores condições de trabalho, infraestrutura decente e assistência estudantil digna. Em Mossoró, a agenda de atividades está sendo construída em conjunto com outras entidades e deverá ser definida na próxima segunda-feira, 8.

Pará: Os professores da UFPA devem paralisar suas atividades por 24 horas no próximo dia 11 de julho. A decisão foi tomada em assembleia geral da Adufpa na manhã desta quinta-feira (4), que analisou a conjuntura e destacou a necessidade da categoria aderir à paralisação e fortalecer este processo de luta. Oo dia de paralisação será marcado por mobilizações no âmbito da UFPA, além de um ato público em conjunto com as diversas categorias em luta, que deve ocorrer no dia 11 de julho nas ruas do centro de Belém.

Piauí: Os docentes da Uespi avaliaram que não valeria a pena parar as atividades no dia 11, pois nesta data o semestre letivo já estará encerrado, mas irão participar das atividades realizadas em conjunto com as outras entidades. A principal atividade do dia 11 já agendada é o Ato Público que acontecerá 14h30 na praça da liberdade, no centro de Teresina, para onde os docentes levarão suas pautas de reivindicação.

Santa Maria (RS): Os professores da UFSM irão se juntar aos demais trabalhadores da área pública e privada de Santa Maria, que preparam um dia de intensas manifestações para o dia 11 de julho. As manifestações do dia 11 de julho começam a partir das 9h na principal praça da cidade, a Saldanha Marinho, e encerra às 17h com a realização de uma marcha pelas principais ruas e avenidas da cidade.

Rio de Janeiro: os professores irão às ruas para lutar pelas demandas expressas nas manifestações que sacudiram o Brasil (investimentos na saúde e na educação pública, qualidade dos transportes e dos serviços públicos), mas também por sua pauta específica (carreira, condições de trabalho, salário) relacionada ao quadro geral de dificuldades dos trabalhadores no país. As atividades começam às 13h, com concentração específica dos setores da educação e da saúde na Praça 15, a partir das 13h, com a “Universidade na Praça” e “Saúde na Praça”. Em seguida, trabalhadores dos dois setores irão se juntar aos demais trabalhadores no ato conjunto, cuja concentração está prevista para as 17h na Candelária. A manifestação deve reunir os docentes das universidades Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Federal Fluminense (UFF), do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), Estadual do Rio de Janeiro (Uerj).

Fonte: ANDES-SN

Adunifesp realiza Assembleia Geral nesta quarta-feira (10)

Uma Assembleia Geral dos Docentes foi marcada pela diretoria da Adunifesp para esta quarta-feira, 10 de julho. A plenária deve debater a aposentadoria e novo plano de carreira dos docentes, as audiências públicas já realizadas na Unifesp e a participação da comunidade universitária nas mobilizações convocadas pelas Centrais Sindicais para o dia 11 de julho. A Assembleia Geral ocorre no Anfiteatro A do campus São Paulo e será às 12 horas.

Prezados Colegas,

Convocamos Assembleia Geral (AG) dos Docentes de todos os campi da Unifesp, conforme segue:

Dia: 10/07/2013

Hora: 12:00

Lugar: Anfiteatro A

(Rua Botucatu, 740 – subsolo – Campus São Paulo)

 

Pauta:

  1.       Informes ANDES-SN*
  2.       Aposentadoria dos docentes e o novo plano de carreira
  3.       Avaliação política e desdobramentos das audiências públicas na Unifesp.
  4.       Carreira docente; progressão/promoção: reabertura de discussão com a CPPD
  5.       Participação da Unifesp nas mobilizações de Rua 11/7/2013 ao chamado das centrais      sindicais*

 

*Integrando as grandes mobilizações que atingem o Brasil, resposta de amplos setores aos descaminhos e à política econômico-social do governo, as centrais sindicais – CSP-Conlutas, a CUT, a CTB, a UGT, a NCST, a CSB – definiram o dia 11 de julho como um dia de paralisações e manifestações de rua, para cobrar do governo e dos patrões o atendimento de nossas reivindicações:

– Fim do fator previdenciário e aumento das aposentadorias;

– Contra a privatização dos hospitais universitários

– Reduzir o preço e melhorar a qualidade dos transportes coletivos;

– Mais investimentos na saúde, da previdência do servidor; e educação pública;

– Paridade entre ativos e aposentados;

– Não ao projeto que cria fundações privadas no setor público (PLP-092/07).

 

Contando com sua participação,

Diretoria da Adunifesp-SSind.