Arquivo mensais:Maio 2013

Nova gestão assume com responsabilidade de fortalecer Adunifesp após greve

Uma cerimônia breve, mas bastante representativa marcou a posse da nova diretoria da Adunifesp-SSind. A nova gestão comandará a entidade no biênio 2013-2015 e assume com a responsabilidade de fortalecer o movimento docente após a longa greve que marcou as universidades federais em 2012. As reivindicações principais da paralisação, como a reestruturação da carreira, não foram conquistadas, mas o movimento docente mostrou sua capacidade de organização e mobilização em todo país. A cerimônia ocorreu na última segunda-feira, 27, no anfiteatro Leitão da Cunha, do campus São Paulo.

A professora Virginia Junqueira, agora vice-presidente, iniciou a cerimônia fazendo uma breve avaliação da diretoria que finda. Ela lembrou que foi a primeira docente dos novos campi a presidir a Adunifesp e disse que a gestão foi marcada por mudanças nas relações de poder dentro da Instituição, com a afirmação dos destes campi da universidade.

“Até 2012, ano da greve, os seis campi ainda se conheciam pouco. Este movimento fez com que pudéssemos nos conhecer melhor e conhecer esta nova condição da Unifesp. A diretoria que assume é fruto deste movimento, que se articulou durante a greve, quando nos ‘apropriamos’ desta nova Unifesp”, afirmou.

O novo presidente da Adunifesp e docente do campus de Diadema, Raul Bonne Hernandez, baseou seu discurso de posse nos principais desafios da gestão. O professor iniciou afirmando a importância de ampliar e aprofundar o debate político da indissociabilidade de ensino, pesquisa e extensão para a concretização da educação superior pública.

Raul destacou também a necessidade de ampliar a relação do sindicato com a categoria, buscando associações principalmente entre os novos docentes. Além disso, ele afirmou a necessidade de criar mais mecanismos para unificar os setores da universidade e de integração entre os diferentes campi. “A greve foi um primeiro ‘exercício’, mas é preciso ampliar este movimento”, disse.

A diretora do ANDES-SN e professora da Unifesp, Ana Maria Estevão, saudou a nova gestão e lembrou que o Sindicato Nacional lançou em seu último congresso uma campanha de filiação para atrair novos docentes às Seções Sindicais. O congresso – realizado no final de março no Rio de Janeiro – foi o segundo mais representativo da história do ANDES-SN e contou com uma grande presença de novos professores.

A reitora Soraya Smaili fez uma saudação especial à nova gestão. A reitora disse sentir muito orgulho de ter sido presidente da Adunifesp entre 2001 e 2003 e diretora em outras gestões, lembrando ter sido fundamental em sua formação. Ela resgatou a trajetória da entidade, que em breve completará 40 anos, e a importância de seus dirigentes na construção de uma Unifesp pública, autônoma, democrática, laica e socialmente referenciada. “A Adunifesp certamente terá um papel protagonista no atual momento da Unifesp”, afirmou.

A cerimônia ainda contou com as saudações da diretora do Sintunifesp, Socorro Limeira; da vice-diretora do campus Guarulhos, Marineide Gomes; do diretor do campus Osasco, Murilo Leal; e da representante da Adusp, Lighia Matsushigue. Além disso, alguns Pró-Reitores da Unifesp também marcaram presença e os novos diretores da Adunifesp foram devidamente apresentados. A nova gestão da entidade, “Autonomia e Democracia”, foi eleita nos dias 25, 26 e 29 de abril.

Posse da nova gestão da Adunifesp acontecerá na próxima segunda (27)

convite_adunifesp_-_posse_2013post21-05-2013

A solenidade de posse da diretoria da Adunifesp eleita para o biênio 2013/2015 acontecerá na próxima segunda-feira, dia 27 de maio. A gestão “Autonomia e Democracia” será presidida pelo docente Raul Bonne Hernandez, do campus Diadema. A diretoria ainda conta com outros 13 representantes. O evento ocorre no Anfiteatro Leitão da Cunha, na Rua Botucatu, 740, campus São Paulo, às 11 horas e 30 minutos. Participe!

Projeto Univercine apresenta Mariguella e recebe diretora do documentário

O documentário Mariguella é a atração do mês de maio do Projeto Univercine, que ainda contará com a presença da diretora Isa Grinspum Ferraz. Exibido no Festival do Rio e na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, o filme constrói um retrato detalhado de um dos maiores mitos da guerrilha de esquerda contra a ditadura militar nos anos 1960, Carlos Marighella (1911-1969). O Univercine acontece neste sábado, 18 de maio, às 14 horas, na Sala Petrobras da Cinemateca Brasileira. A mediação do encontro é de Mauro Rovai. A entrada é franca e a classificação indicativa é dez anos.

Através de rico material iconográfico, documentos da CIA, imagens de arquivo e depoimentos de personalidades importantes, dentre os quais o de Clara Sharf, viúva de Marighella, e do crítico literário Antonio Candido, o documentário focaliza a trajetória do militante desde a juventude na Bahia, sua atuação política no Partido Comunista, suas prisões na Era Vargas, sua atuação como deputado constituinte, até os violentos anos de repressão militar, quando se torna o inimigo público número um da ditadura brasileira. Além disso, Marighella é visto a partir do olhar pessoal da cineasta Isa Grinspum Ferraz, sua sobrinha, que intercala fatos históricos com um perfil humano e pessoal do herói.

Desde 2010, uma parceria firmada entre a Unifesp e a Cinemateca realiza sessões educativas voltadas para a formação de público e à discussão dos principais temas relativos às ciências humanas. A Cinemateca fica no Largo Senador Raul Cardoso, 207, entre a Avenida Sena Madureira e o Metrô Vila Mariana. Mais informações no site www.cinemateca.gov.br, pelo telefone (11) 3512-6111 (ramal 215) ou pelo e-mail contato@cinemateca.org.br.

FICHA TÉCNICA E SINOPSE
Marighella, de Isa Grinspum Ferraz
São Paulo, 2011, vídeo digital, cor, 100′ | Exibição em DVD
Retrato de Carlos Marighella (1911-1969), militante que se tornou o maior inimigo da ditadura militar brasileira. Líder comunista e parlamentar, foi preso e torturado, e tornou-se famoso por ter redigido o Manual do Guerrilheiro Urbano. O documentário focaliza sua juventude na Bahia, seus anos de militância no PCB, suas prisões na era Vargas, sua atuação como deputado constituinte, até os violentos anos de repressão militar. Narrado por Lázaro Ramos, o filme traz depoimentos da viúva de Marighella, Clara Charf, e de outros militantes de esquerda que estiveram ao seu lado, além de figuras emblemáticas da resistência ao regime militar no Brasil, como o crítico literário Antonio Candido. O filme conta ainda com uma canção especialmente composta por Mano Brown, em homenagem a Marighella.

Com MP sobre carreira docente, governo fere outra vez a autonomia universitária

O Executivo lançou mão da Medida Provisória 614/2013, publicada nesta quarta-feira (15) no Diário Oficial da União, com a intenção de dar resposta às críticas de diversos setores que brotaram após a entrada em vigor, em março, da Lei 12.772, principalmente no que diz respeito ao ingresso de docentes com titulação nos quadros das universidades federais.

A lei, sancionada no final de 2012, contém elementos do simulacro de acordo firmado entre o governo e seu braço sindical e foi aprovada de forma sumária tanto na Câmara quanto no Senado, sob pressão do pedido de urgência apresentado pelo Executivo. Isto em confronto às propostas reiteradamente apresentadas pelos docentes organizados e em greve que durou mais de quatro meses no ano de 2012.

Na visão do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN), a MP 614/2013 é mais uma atitude unilateral e autoritária do Executivo, que apenas maquia a solução de falsos problemas e não traz nenhum aspecto que trate de reverter a desestruturação da carreira dos docentes das Instituições Federais de Ensino (IFE), consolidada pela Lei 12.772/2012.

“A medida não enfrenta falta de critério evolutivo nos degraus de ascensão na carreira, a discrepância na valoração dos regimes de trabalho e da titulação, e muito menos aborda a pseudo-estratificação da estrutura. Ao contrário, aumenta a confusão ao denominar as classes com letras e a estas impor denominações secundárias, que teriam efeito qualificador. Ora, se o governo está envergonhado ao denominar de “auxiliares” os professores doutores ingressantes, a falsa hierarquização das classes não vai ser contornada com a maquiagem de torná-las aparentemente inominadas”, argumenta Marinalva de Oliveira, presidente do ANDES-SN.

Marinalva critica a fragilização do regime de Dedicação Exclusiva e ainda o fato da MP não tratar da ambiguidade de se ter duas figuras de Professor Titular na mesma carreira com critérios e formas de ingresso distintas, o que a simples redução das exigências para concurso ao chamado Titular Livre não minimiza. A criação dessa figura, em cargo único, na estrutura da carreira dos docentes das IFE vem sendo criticada pelo Sindicato Nacional desde que tomou conhecimento durante a greve do ano passado.

Ingresso de Mestres e Doutores

Para o ANDES-SN, foi o próprio governo que extrapolou a Lei ao emitir uma nota técnica impedindo o exercício da autonomia das IFE quanto à exigência de titulação entre as condições para inscrição em concursos de ingresso na carreira. Diante da indignação provocada e na iminência de novo desgaste político, cria-se um factoide de que a qualidade estaria em risco, como se aquela interpretação jurídica fosse inexorável e que a partir dela os ingressantes nos quadros docentes não mais seriam detentores de titulação.

Migrando para posição diametralmente oposta a inicial, apresentada na nota técnica, o governo volta à cena com a edição da MP, afrontando mais uma vez a autonomia das IFE, e determina que se passe a exigir como condição de ingresso o título de doutor. No entanto, no parágrafo seguinte da mesma MP, reconhece o que prevê a Constituição Brasileira em seu artigo 207 desde 1988: são as próprias universidades, no exercício de sua autonomia, que devem decidir as condições e exigências para preenchimento dos cargos docentes, em consideração a exigência do padrão de qualidade acadêmica e a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão.

“Neste ponto emerge uma grande indagação: estando o governo federal realmente preocupado com a qualidade da educação superior e avaliando que a exigência exclusiva de ingresso de doutores no magistério é condição para a qualidade, não deveria fazer essa exigência especialmente para as Instituições privadas, nas quais sabidamente o percentual de doutores é muitíssimo baixo?”, questiona a presidente do ANDES-SN.

Marinalva informa ainda que o Sindicato Nacional já solicitou parecer detalhado à sua Assessoria Jurídica Nacional e que irá avaliar os próximos passos da sua intervenção para conquistar avanços efetivos em termos da reestruturação da carreira dos professores federais, tendo como referência o projeto construído no debate nacional pelos próprios docentes.

Fonte: ANDES-SN

Docentes elegem nova gestão da Adunifesp e posse deve acontecer dia 28

A chapa única inscrita para a eleição da nova gestão da Adunifesp, “Autonomia e Democracia”, foi eleita com os votos de 114 docentes ou 87,40% dos votos válidos. Nove docentes ainda votaram nulo e outros oito em branco. O presidente da entidade eleito é docente Raul Bonne Hernandez, do Departamento de Ciências Exatas e da Terra, do campus Diadema da Unifesp. A atual presidente da entidade e docente do campus da Baixada Santista, Virginia Junqueira, é a nova vice-presidente. A votação aconteceu nos dias 25, 26 e 29 de abril e a gestão foi eleita para o biênio 2013-2015. A posse deve acontecer no dia 28 de maio.

Confira o comunicado da Comissão eleitoral:

COMUNICADO Nº 004/2011 – 30/04/2013

ATENÇÃO PROFESSORES:

RESULTADO DA ELEIÇÃO PARA DIRETORIA DA ADUNIFESP-SSIND. GESTÃO 2013/2015

A Comissão Eleitoral informa que a chapa “AUTONOMIA E DEMOCRACIA” foi eleita com 87,40% dos votos recebidos, conforme resultado abaixo:
– Total de sócios = 660
– Total de votantes = 131
– Total de votos favoráveis = 114 (87,40%)
– Total de votos brancos = 08 (6,10%)
– Total de votos nulos = 09 (6,50%)

Sendo que tínhamos a informar neste momento.

PROFA. DRA. ANA LUCIA PEREIRA
Presidente da Comissão Eleitoral
PROFA. DRA. DULCE MARIA FONSECA SOARES MARTINS
Comissão Eleitoral
PROFA. DRA. BETANIA LIBANIO DANTAS DE ARAUJO
Comissão Eleitoral
PROFA. RAQUEL DE AGUIAR FURUIE
Comissão Eleitoral


Confira também a nominata completa da chapa “Autonomia e Democracia”:

Presidente: RAUL BONNE HERNANDEZ (Diadema – Depto. Ciências Exatas e da Terra)
Vice-presidente: VIRGINIA JUNQUEIRA (Baixada Santista – Depto. Gestão e Cuidados em Saúde)
Secretário Geral: ANTONIO MIHARA (Diadema – Depto. Ciências Exatas e da Terra)
1º Secretário: JULIO CESAR ZORZENON COSTA (Osasco – Depto. Ciências Econômicas)
Tesoureiro Geral: CARLOS ALBERTO BELLO E SILVA (Guarulhos – Depto. Ciências Sociais)
1º Tesoureiro: MARCOS FERREIRA DE PAULA (Baixada Santista – Depto. Saúde, Educação e Sociedade)
Diretor de Relações Sindicais, Jurídicas e Defesa Profissional: MARIA GRACIELA GONZALEZ DE MORELL (Baixada Santista – Depto. Saúde, Educação e Sociedade)
Diretor de Imprensa e Comunicação: FRANCISCO ANTONIO DE CASTRO LACAZ (São Paulo – Depto. Medicina Preventiva)
Diretor de Política Sócio-cultural: DENILSON SOARES CORDEIRO (Diadema – Depto. Ciências Exatas e da Terra)
Diretor de Política Universitária: EMILIO NOLASCO DE CARVALHO (Baixada Santista – Depto. Saúde, Educação e Sociedade)
Diretor Campus Baixada Santista: LUZIA FATIMA BAIERL (Baixada Santista – Depto. Saúde, Educação e Sociedade)
Diretor Campus Diadema: JOEL MACHADO JUNIOR (Diadema – Depto. Ciências Biológicas)
Diretor Campus Osasco: MARCELLO SIMAO BRANCO (Osasco – Depto. Multidisciplinar)
Diretor Campus Guarulhos: CLEBER SANTOS VIEIRA (Guarulhos – Depto. Educação)

58º Conad foca na ampliação da organização docente e unidade classista

A diretoria do ANDES-SN encaminhou nesta quinta-feira (2) a convocatória do 58º Conselho do ANDES-SN (Conad). Com o tema central “ANDES-SN: Sindicato de luta, ampliando a organização da categoria e a unidade classista dos trabalhadores”, o encontro acontece de 18 a 21 de julho, na cidade de Santa Maria (RS).

Na circular 74/2013, que convoca o 58º Conad também foram divulgados os prazos para envio de contribuições ao caderno de textos e seu anexo, assim como as normas de padronização dos documentos, critérios para eleição de delegados e as datas do credenciamento prévio. Confira aqui as informações.

O Conad tem como atribuições exercer as funções de conselho fiscal do ANDES-SN, regulamentar e atualizar os planos de lutas aprovados no Congresso, entre outras.

Leia também: Santa Maria (RS) sediará 58º Conad

Fonte: ANDES-SN