Arquivo mensais:Março 2013

ANDES-SN protocola pauta de reivindicações 2013 das Federais junto ao governo

O ANDES-SN protocolou, nesta terça-feira (26), no Ministério da Educação (MEC) e no Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão (MPOG), a Pauta de Reivindicações dos Docentes das Instituições Federais de Ensino Superior, conforme deliberado no 32° Congresso do ANDES-SN, realizado de 4 a 9 de março no Rio de Janeiro. A pauta protocolada (confira aqui) é fruto das discussões e decisões da categoria no último congresso e reitera a proposta de reestruturação da carreira dos professores, tendo como referência o “Projeto de carreira única de professor federal”, aprovado no 30° congresso da categoria (2011), em defesa da qual os professores têm se mobilizado, como na grande greve de 2012.

O sindicato também solicitou audiência com o ministro da educação Aloizio Mercadante para apresentar o documento. De acordo com a presidente do ANDES-SN, Marinalva Oliveira, a entidade espera que, a partir da audiência, o ministério da educação assuma uma agenda de reuniões de negociação sobre cada ponto da pauta apresentada. “Queremos que sejam agendadas reuniões de negociação efetiva sobre a nossa pauta, não apenas reuniões para apresentarmos reivindicações. A negociação feita no ano passado com o Proifes não foi aprovada pela categoria, não tivemos acordo. Por isso, continuam valendo as reivindicações que foram protocoladas ainda em 2011”, ressalta Marinalva.

A presidente do ANDES-SN também afirma que o Sindicato espera que o MEC assuma o protagonismo das negociações com a categoria. “Queremos primeiro discutir a precarização nas IFE, vagas, condições de trabalho e o nosso projeto de carreira. Posteriormente, discutir sobre recursos que serão alocados para dar efetividade a essas propostas, e não o contrário”, acrescenta Marinalva.

Fonte: ANDES-SN

Relatório final do 32º Congresso do ANDES-SN é divulgado

O relatório final do 32º Congresso do ANDES-SN, realizado entre 4 e 9 de março, na Universidade Federal do Rio de janeiro (UFRJ), já está disponível no site e foi enviado para as Seções Sindicais nesta terça-feira, dia 26. O documento tem como tema central “Sindicato Nacional na luta pelo projeto de educação pública e condições de trabalho” (confira aqui o relatório).

Além do relatório final, o vídeo do 32º Congresso do Sindicato Nacional foi divulgado na página do ANDES-SN no Facebook na última quarta, dia 27. O material traz relatos de vários delegados e observadores, além do depoimento do fotógrafo que acompanha os congressos do ANDES-SN há mais de 20 anos e imagens dos atos públicos, que contaram com a participação dos congressistas. O vídeo é encerrado com um convite à categoria para participação no 33º Congresso, que será realizado em São Luís (MA), em 2013 (assista aqui).

Fonte: ANDES-SN

Projeto Univercine exibe filme A Falecida

Neste sábado (30), o Projeto Univercine traz ao público o longa metragem de estreia do consagrado diretor Leon Hirszman (de Eles não usam black tie). A Falecida (1965) é baseada na peça homônima de Nelson Rodrigues e conta a estória de uma senhora obcecada pela morte e que planeja para si mesma um funeral de luxo, de modo a compensar a vida pobre e humilde que teve. Com roteiro de Hirszman e Eduardo Coutinho, o filme também marca a estreia de Fernanda Montenegro no cinema. A sessão será seguida de um debate com a presença de Yanet Aguilera Franklin de Matos, professora de história do cinema na UNIFESP. A mediação é de Mauro Rovai.

Desde 2010, uma parceria firmada entre a Unifesp e a Cinemateca realiza sessões educativas voltadas para a formação de público e à discussão dos principais temas relativos às ciências humanas. A Cinemateca fica no Largo Senador Raul Cardoso, 207, entre a Avenida Sena Madureira e o Metrô Vila Mariana. Mais informações pelo telefone (11) 3512-6111 (ramal 215) ou pelo e-mail contato@cinemateca.org.br

FICHA TÉCNICA E SINOPSE

A Falecida, de Leon Hirszman
Rio de Janeiro, 1965, 35mm, pb, 85’ | Exibição em HD Cam
Fernanda Montenegro, Ivan Cândido, Paulo Gracindo, Nelson Xavier
Depois de consultar uma cartomante, que lhe dá alerta sobre a presença de uma misteriosa loira em sua vida, mulher pobre de subúrbio decide preparar para si um funeral de luxo e assim impressionar todos do bairro. Prestes a morrer, ela orienta seu marido a pedir dinheiro a um homem, que bancará supostamente a cerimônia. Exibição em cópia restaurada.

Inscrição de chapas para eleição da Adunifesp ocorre até dia 15 de abril

O edital de convocação para a eleição da diretoria da Adunifesp, gestão 2013-2015, foi publicado pela entidade no último dia 25 de março. As inscrições de chapas para o processo eleitoral acontecem entre os dias 8 e 15 de abril e a votação nos dias 25, 26 e 29 do mesmo mês. A apuração dos votos será no dia 30 e a posse da nova gestão no dia 28 de maio. O local das inscrições é a sede da entidade, rua Napoleão de Barros, 837/841, Vila Clementino, de segunda a sexta, das 8 às 16 horas.

As chapas devem ser compostas por dez diretores e mais um representante em cada campus da Unifesp. Todos os candidatos deverão ser sócios da Associação e os docentes que comporem alguma chapa deverão preencher um formulário disponível na sede entidade. A comissão eleitoral será composta por um representante da diretoria atual da Adunifesp, dois do Conselho de Representantes e mais um indicado por cada chapa. O estatuto da Adunifesp pode ser consultado no site (http://www.adunifesp.org.br/estatuto) ou na sede da entidade. O edital segue abaixo:

EDITAL DE CONVOCAÇÃO
Eleição ADUNIFESP-SSIND – GESTÃO 2013/2015

De acordo com o Estatuto da Associação dos Docentes da Universidade Federal de São Paulo – Seção Sindical (Adunifesp-SSind.), Capítulo 4 – Das Eleições – comunicamos a todos os sócios a abertura do processo sucessório da atual diretoria para a gestão 2013/2015.
1. As inscrições serão realizadas por chapas com a seguinte composição:
– PRESIDENTE
– VICE-PRESIDENTE
– SECRETÁRIO GERAL
– 1º SECRETÁRIO
– TESOUREIRO GERAL
– 1º TESOUREIRO
– DIRETOR DE RELAÇÕES SINDICAIS, JURÍDICAS E DEFESA PROFISSIONAL
– DIRETOR DE IMPRENSA E COMUNICAÇÃO
– DIRETOR DE POLÍTICA SÓCIO-CULTURAL
– DIRETOR DE POLÍTICA UNIVERSITÁRIA
– 01 (UM) DIRETOR REGIONAL PARA CADA NOVO CAMPUS DA UNIFESP
O Estatuto da Adunifesp-SSind, referente às eleições e atribuições da Diretoria está disponível aos interessados na sede da entidade.
Todos os candidatos deverão ser sócios da Adunifesp-SSind.
1. Inscrições:
– de 08/04 a 15/04/2013
1. Local das inscrições:
– Sede da Adunifesp-SSind. (Rua Napoleão de Barros, 837/841 – Vila Clementino)
. de 2ª.f à 6ª.f, das 8h às 16h, com Roseli ou Andréa
. os professores candidatos que compõem a chapa deverão preencher o formulário padrão disponível na entidade.
1. Data da eleição:
– 25, 26 e 29/04/2013
1. Data da apuração dos votos:
– 30/04/2013, na sede da Adunifesp-SSind.
1. Posse da Diretoria:
– 28/05/2013
Profa. Dra. Virginia Junqueira
Presidente da Adunifesp-SSind.
São Paulo, 25 de março de 2013.

Cresce a mobilização para a Marcha do dia 24 de abril

Mais de 30 entidades nacionais e 20 organizações estaduais e movimentos sociais confirmam participação na marcha

Mais de 50 organizações, entre entidades nacionais, estaduais e movimentos sociais, confirmaram participação na grande Marcha do dia 24 de abril, que será realizada em Brasília. A expectativa é que a atividade seja ainda maior que a realizada em 2012, inclusive com maior representatividade e participação de trabalhadores de outros estados. O ANDES-SN reafirmou o compromisso durante o 32º Congresso do Sindicato Nacional, realizado no início de março no Rio de Janeiro, e intensificou os esforços para a marcha a partir do evento.

“O ANDES-SN coloca como prioridade a organização e participação na Marcha do dia 24 de abril, que está sendo articulada pelo Espaço Unidade de Ação em um momento de ataques à classe trabalhadora como a reforma sindical, Lei de Greve, Acordo Coletivo Especial (ACE), entre outros”, destaca a presidente do ANDES-SN, Marinalva Oliveira. Ela ressalta ainda a importância de se obter número expressivo de participantes no dia 24 de abril, para mostrar ao Governo a reação das categorias e demais movimentos contra os direitos dos trabalhadores.

A presidente conta ainda que o ANDES-SN, por meio das Seções Sindicais e das Secretarias Regionais, está organizando em cada estado a mobilização para o dia 24 de abril. “Estamos empenhados em fortalecer a unidade da classe trabalhadora. O ano de 2013 será de grandes mobilizações e reações a qualquer forma de retirada de direitos dos trabalhadores e vamos iniciar as atividades com uma grande marcha a Brasília unindo todos os setores da classe trabalhadora, estudantes e movimentos populares”, afirma.

Para o coordenador da CSP-Conlutas, José Maria de Almeida, a Marcha é importante visto que possibilitará a junção de forças na defesa de bandeiras comuns e na construção de um polo de resistência que, segundo ele, é primordial. “O processo que estamos construindo tem uma capacidade de aglutinação que vai além da CSP-Conlutas. É importante que todos os sindicatos participem independente de centrais sindicais e filiações políticas. Todos que quiserem lutar são bem vindos e estão convidados para compor a unidade na luta”.

Zé Maria esclarece ainda que a marcha não se resume ao dia 24. “Há todo um processo que prevê a realização de plenárias nos estados, juntando as entidades e agitando a base, que antecede à Marcha. A mobilização em Brasília acontecerá para dar continuidade aos trabalhos”, explica.

Mobilização

Segundo o coordenador da CSP-Conlutas, na última reunião do Espaço de Unidade de Ação, realizada dia 19 de março na Condsef, movimentos do campo, que lutam pela reforma agrária, também aderiram à Marcha. Outras cinco confederações nacionais, além da CNTA que havia firmado compromisso anteriormente, também confirmaram presença. “Há uma mobilização importante dos sindicatos e movimentos de todo o país para potencializar o envio de delegações a Brasília no dia 24, que resulta em um processo de agregação muito significativo”, conclui.

Além do ANDES-SN, participaram do encontro a CSP-Conlutas, CNTA, MST, Condsef, CPERS, FNTIG, Fenasps, Fasubra, Sinasefe, Cobap, “A CUT Pode Mais”, Sepe-RJ, Intersindical, entre outras. Também esteve presente uma representação de federações e movimentos de luta pela terra do DF e Entorno e o movimento Resistência Urbana e Camponesa do Piauí.

A concentração para a marcha está prevista para o espaço em frente ao Ginásio de Esportes Nilson Nelson, com chegada das caravanas marcada para 7h. A próxima reunião foi agendada para dia 2 de abril, às 10h, na sede da Condsef.

Fonte: ANDES-SN

Entidades organizam plebiscito sobre a Ebserh

Com o objetivo de informar e envolver a comunidade universitária e usuários dos Hospitais Universitários sobre o significado da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) e os riscos que esta entidade apresenta ao Sistema Único de Saúde (SUS) e à autonomia universitária, o ANDES-SN, a Fasubra, Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina (Denem), a Fenasps e a Frente Nacional Contra a Privatização do SUS encabeçam um plebiscito nacional sobre a empresa.

Na avaliação das entidades, o plebiscito sobre a Ebserh é mais um instrumento que os movimentos sindicais e sociais podem utilizar para ganhar força política e dialogar com a sociedade sobre as consequências da implementação desta empresa por parte do Governo Federal.

A participação do ANDES-SN no plebiscito foi deliberada durante o 32º Congresso do Sindicato Nacional, realizado no início do mês de março no Rio de Janeiro. No quarto dia do encontro, os participantes do congresso realizaram também uma manifestação contra a Ebserh em frente ao Hospital Universitário da UFRJ, no Campus do Fundão.

Sistematização do plebiscito
Na segunda reunião da Comissão Nacional Coordenadora do plebiscito, realizada em Brasília, ficou consolidado o período de 02 a 15 de abril para a sua realização e o dia 24 para entrega do resultado em ato em frente ao MEC, aproveitando a ocasião da Marcha à Brasília, ato nacional da Jornada de Lutas Unificadas organizada pelo Espaço de Unidade e de Ação (saiba mais).

Na circular 39/2013, encaminhada nesta segunda-feira pelo ANDES-SN, a entidade ressalta a importância e urgência das seções do Sindicato Nacional buscarem articulação com entidades sindicais e estudantis para formação dos comitês nas universidades visando a realização do Plebiscito.

“As urnas devem ser amplamente distribuídas, e não focando apenas os hospitais”, orienta Almir Menezes Filho, 2º tesoureiro do ANDES-SN. De acordo com o diretor do Sindicato Nacional, a Ebserh é uma ameaça à autonomia universitária em sua totalidade, pois o tipo de gestão a ser introduzido com a criação da Empresa pode se espalhar por todas as áreas de conhecimento das Instituições Federais de Ensino (IFE).

Almir lembra que os comitês serão responsáveis pela coleta de votos e sua apuração, devendo encaminhar o resultado até às 17h do dia 19 de abril para a consolidação final em Brasília, pela Comissão.

A votação será realizada unicamente por votos em urnas. Os modelos das células de votação e das listas de identificação serão disponibilizados via internet. Veja aqui a Circular.

Fonte: ANDES-SN

Reajuste para docentes das Federais já chega com defasagem

Quando os professores receberem seus contracheques e tiverem o salário creditado em suas contas, no início de abril, perceberão que já estará em vigor o reajuste previsto pela Lei 12.772, aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pela presidente Dilma Rousseff em 28 de dezembro de 2012.

Conforme o professor Ricardo Rondinel, do departamento de Ciências Econômicas da UFSM, esse reajuste pretende repor perdas inflacionárias de julho de 2010 até março de 2013. No entanto, frisa Rondinel, segundo os dados do Índice de Custo de Vida (ICV) do Dieese, a inflação nesse período chega a 15,5% (previsão de inflação de 0,57% em março), o que caracterizará uma perda inicial que alcança 2,5%. Essa defasagem nos vencimentos da categoria docente deve se ampliar ao longo deste ano, chegando em fevereiro de 2014, mês que antecede o próximo reajuste, a aproximadamente 9%, calcula o economista.

O 1º vice-presidente do ANDES-SN, Luiz Henrique Schuch, lembra que, durante toda a negociação com o governo federal, o Sindicato Nacional expôs a falácia do reajuste propalado pelo Ministério do Planejamento e da Educação e amplamente divulgado pela imprensa tradicional. “Durante a greve, o Ministro Mercadante convocou uma coletiva de imprensa para dizer que os docentes teriam de 25% a 40% de reajuste, este último percentual restrito a uma pequena parcela da categoria. No entanto, está demonstrado que o jogo de índices, linha a linha, em valores nominais é falacioso uma vez que a massa salarial dos servidores públicos federais vem caindo ano a ano, tanto na relação com o PIB como na relação com as receitas líquidas da União”, explica Schuch.

Clique aqui para ver a tabela ampliada.

Ele lembra também que o índice usado pelo governo à época para os cálculos do impacto do reajuste na remuneração dos professores não previa as perdas de 2010 a 2012 e também era baseado na previsão de índice inflacionário do Banco Central, o qual se confirmou bem abaixo da inflação registrada no ano passado.

O diretor do ANDES-SN destaca que na contraproposta apresentada pela entidade existiam dois custos: um era o custo do patamar salarial que era o mesmo proposto pelo próprio governo, outro era o custo da reestruturação. “Este último na verdade não é custo, pois é a retomada do que nos foi retirado ao longo dos anos, de uma carreira que foi sendo desestruturada nas últimas duas décadas. Ou seja, é simplesmente repor à categoria o que foi saqueado por inúmeros artifícios aplicados a cada modificação da carreira”, comenta.

Schuch ressalta que não dá para misturar incidências na questão estrutural da carreira com reajuste salarial, por isso a categoria segue insistindo na necessidade de reestruturação da carreira do professor federal. “Acertadamente, os delegados do 32º Congresso do ANDES-SN reafirmaram a defesa da proposta de carreira única construída na base do Sindicato como um dos principais eixos da nossa pauta de reivindicações para 2013”, avalia.

O 1º vice-presidente do ANDES-SN lembra que a luta por um conceito de carreira adequado significa a base para que a remuneração seja estável e não se transforme num engodo como tem acontecido. “O que temos hoje e foi aprofundado com o a Lei 12.772/2012 é um sistema perverso que usa a desestruturação para dar aumentos localizados e que “rifa” as parcelas mais numerosas, especialmente os aposentados”, conclui.

*Com informações e imagem da Sedufsm – Seção Sindical

Fonte: ANDES-SN

Nova marca do ANDES-SN já está no site da entidade

logo_andes_post27-03-2013

Lançada durante a abertura do 32º Congresso do Sindicato Nacional, logomarca já será utilizada na Campanha de Sindicalização de 2013.

A nova logomarca do ANDES-SN, lançada durante a abertura do 32º Congresso do Sindicato Nacional, no dia 4 de março, no Rio de Janeiro, já está disponível no site. As orientações sobre a utilização da marca foram enviadas para as seções sindicais nesta terça-feira (19), por meio da Circular nº 31/2013, juntamente com o Manual de Aplicação da Marca.

“Debates ocorridos no Grupo de Trabalho de Comunicação e Artes (GTCA) já apontavam há algum tempo a necessidade de modernização da logo, no entanto, sem perder suas principais características já consagradas, como a cor e o formato”, afirma o 1º vice-presidente do ANDES-SN e encarregado de Imprensa do Sindicato, Luiz Henrique Schuch. Entre as principais alterações está o uso de uma tipologia atual, a reordenação das palavras para ANDES-SN Sindicato Nacional e a incorporação da CSP-Conlutas para dentro da logo.

O lançamento foi feito em conjunto com a apresentação da campanha de sindicalização do ANDES-SN. “Fizemos esse trabalho antecedendo a Campanha de Sindicalização para que ela própria já seja veículo de divulgação da nova logo”, explica Schuch.

De acordo com a Circular nº 32/2013, as primeiras peças da Campanha já começaram a circular neste mês, entre elas cartaz, anúncio, panfleto, flyer digital, banner para internet e adesivo. Toda a campanha e o Manual de Aplicação da nova marca serão disponibilizados para as Seções Sindicais no site do ANDES-SN para serem produzidos localmente.

A participação de todas as seções sindicais é fundamental para o sucesso da campanha. Por isso, foram solicitadas às seções, por meio da circular, as seguintes informações: número e unidades de lotação de sindicalizados, tempo que estes possuem na instituição e se os sindicalizados são do campus central ou dos novos campi, que devem ser enviadas para o e-mail campanha@andes.org.br até 28 de abril. Qualquer dúvida sobre a Campanha também pode ser esclarecida por meio deste endereço eletrônico.

A nova logomarca deve ser utilizada em todos os materiais e sites das seções sindicais, e seguir as orientações do manual. A partir do envio do manual com as orientações e uso da nova logomarca no site do ANDES-SN, ela deverá ser utilizada por todas as seções sindicais.

Fonte: ANDES-SN

ANDES-SN se mobiliza para a Campanha pela Anulação da Reforma da Previdência

Sindicato Nacional enviará materiais que fazem parte da Campanha Reforma da Previdência Comprada Tem Que Ser Anulada para as Seções Sindicais, a partir desta quarta (20)

Os materiais para coleta de assinaturas da Campanha Reforma da Previdência Comprada Tem Que Ser Anulada foram enviados pelo ANDES-SN para as seções sindicais nesta quarta-feira (20), junto com as orientações para a organização do abaixo-assinado, tanto no modelo eletrônico quanto no impresso. O Sindicato Nacional reforça a importância da adesão, mobilização e participação de toda a categoria. Os cartazes que compõem a campanha foram encaminhados às seções em fevereiro.

As entidades estão sendo orientadas a disponibilizarem locais de coleta de assinaturas e a incorporarem a campanha em cada um das atividades realizadas. O roteiro com as principais informações sobre os procedimentos para a coleta de assinaturas de papel pode ser acessado aqui. O abaixo assinado de papel pode ser visto aqui.

O abaixo-assinado eletrônico encontra-se alojado na internet no site Petição Publica Brasil que disponibiliza um serviço público gratuito para (abaixo-assinados petições públicas) online e pode ser assinado aqui.

O documento é veiculado pelo Fórum Nacional das Entidades dos Servidores Públicos Federais, do qual o ANDES-SN faz parte, entidades representativas de Servidores Públicos Estaduais e Municipais, CSP-Conlutas, Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e Auditoria Cidadã da Dívida. Possíveis dúvidas podem ser enviadas para os e-mails auditoriacidada@gmail.com e assessoria@cspconlutas.org.br.

O abaixo-assinado reivindica o “reconhecimento da nulidade da Reforma da Previdência de 2003 (PEC 41), devido à comprovação de compra de votos que viabilizou sua fraudulenta aprovação no Congresso Nacional, conforme decidido pelo Supremo Tribunal Federal em julgamento do processo intitulado ‘mensalão’, que condenou vários ex-integrantes do governo e partidos de sua base aliada”. O texto afirma ainda que “este ano nulo não pode continuar vigorando e provocando nefastos efeitos contra trabalhadores (as) brasileiros (as)”.

Também está prevista a realização de um ato público nacional, sem data definida, para a entrega dos abaixo-assinados.

*Com informações da CSP-Conlutas

Fonte: ANDES-SN

Manifesto em solidariedade ao professor Ricardo Antunes tem ampla adesão

Após a veiculação de notícias sobre a interpelação judicial movida pela Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes) sofrida pelo professor titular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Ricardo Antunes, várias entidades – entre elas o ANDES-SN – movimentos sociais e professores de diversas instituições manifestaram apoio ao docente na internet, por meio de sites e redes sociais.

Um abaixo-assinado foi criado no site Petição Pública para reunir as manifestações em solidariedade ao docente, que servirão para compor a defesa de Antunes. O “Manifesto em Defesa da Liberdade de Expressão: Solidariedade ao Prof. Ricardo Antunes” já conta com centenas de assinaturas de docentes, estudantes, profissionais das mais diversas áreas, seções sindicais e outras entidades e movimento sociais.

O texto do manifesto aponta que a “a fórmula utilizada [pela Proifes], no entanto, sobretudo em razão do conteúdo ameaçador da peça inaugural da ação, foi bem além da oposição de ideias, tendo servido, isto sim, para judicializar a política, o que é bastante grave, sobretudo para o movimento sindical, que durante décadas teve sua voz dificultada pela atuação judiciária.”

O texto segue os signatários entende que o professor Ricardo Antunes, cuja integridade tanto intelectual, quanto pessoal, é notória, apenas expressou livremente as suas impressões a respeito da atuação de tal entidade. Assim, nada mais fez do que utilizar o seu direito constitucional de livre manifestação do pensamento, na forma prevista no art. 5º, inciso IV, da Constituição da República Federativa do Brasil.

“Entendemos que, para o avanço e o favorecimento do exercício democrático, caberia à entidade em questão, caso quisesse, vir a público e se pronunciar sobre a fala do Professor, apresentando os seus fundamentos fáticos. Sem nos posicionarmos a respeito de eventual controvérsia que pudesse advir, repudiamos, firmemente, o meio utilizado, que recusa o debate e visa a recriminar o opositor, principalmente porque entendemos essencial para a melhoria das instituições brasileiras o permissivo da crítica e da contraposição franca e aberta das ideias”, observa o documento.

O manifesto conclui apontando que “os abaixo-assinados, desejosos em contribuir, de forma constante e progressiva, por meio do exercício do direito à livre manifestação, com a instituição de uma lógica democrática no Brasil, vêm, por meio desse manifesto, reafirmar sua contrariedade a todas as práticas antidemocráticas, repudiando, por consequência, a iniciativa da PROIFES, de interpor medida judicial em face do Professor Ricardo Antunes para contrapor-se às impressões por este manifestadas de modo democrático e no exercício livre do debate de ideias”. Leia e assine aqui o Manifesto.

ANDES-SN divulga carta de solidariedade ao professor Ricardo Antunes

No último dia 15, sexta-feira, o Sindicato Nacional publicou a carta de solidariedade do ANDES-SN ao professor Ricardo Antunes. No texto, a entidade afirma que “esta interpelação, antidemocrática por sua natureza, parte de uma entidade que propala defender os interesses dos professores, mas que, com essa medida de intimidação e tentativa de imposição de silêncio aos que lhe são críticos, revela sua face de intolerância e descompasso com o que está ocorrendo nas Instituições Federais de Ensino, na qual trabalham milhares de professores e professoras que lutam por uma educação de qualidade e, para tanto, cobram condições de trabalho que lhes permitam cumprir os compromissos para atender às inúmeras demandas sociais apresentadas pela população, em especial a juventude brasileira”.

Na carta, o ANDES-SN oferece a Antunes o suporte político e jurídico da entidade, “por sua postura em defesa da educação, por sua luta pela democracia e por suas razões visando construir um país socialmente mais justo”. O Sindicato ainda expressa sua posição a favor da liberdade de expressão e contrária a todas as tentativas de silenciar a crítica e a livre manifestação.

O ANDES-SN também encaminhou às seções sindicais, secretarias regionais e aos diretores a circular nº 27/2013, solicitando o envio das manifestações de apoio ou assinatura da carta. As seções também foram orientadas a divulgar suas manifestações e encaminhá-las à Secretaria do Sindicato, para que estas possam ser entregues o professor. Veja a íntegra da carta.

Entenda o caso

O professor Ricardo Antunes sofre uma interpelação judicial movida pela PROIFES. A ação é motivada por uma declaração do docente no Programa Roda Viva da TV Cultura, exibido no dia 3 de setembro de 2012. Questionado a respeito da greve dos professores das universidades federais, o sociólogo brasileiro disse: “Alguém acredita que não tem greve? Que a greve acabou porque uma entidade criada pelo governo, incentivada pelo governo, ela não fala pelo conjunto – a chamada PROIFES, ela não fala pelo conjunto dos Professores, as universidade federais ainda estão paralisadas…”.

Fonte: ANDES-SN