Arquivo diários:11 de junho de 2012

Docentes federais em greve se reúnem nesta terça com representantes do governo

Depois de mais de 25 dias em greve, os professores das Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes) devem se reunir no final da tarde desta terça-feira (12) com representantes do governo federal. A reunião foi convocada pelo Ministério do Planejamento e participarão representantes da diretoria e do Comando Nacional de Greve do ANDES-SN e de outras entidades do setor da educação.

A expectativa é que o governo apresente uma proposta de reestruturação para a carreira docente, dando início efetivo às negociações com os docentes federais. “Nós queremos negociar, mas para que isso ocorra efetivamente, o governo federal tem que apresentar propostas concretas sobre as quais possamos discutir e buscar uma solução positiva ao impasse estabelecido o mais rapidamente possível”, disse Marina Barbosa, presidente do ANDES-SN.

Para os docentes em greve, o acordo emergencial firmado com o governo em 2011 não foi cumprido e não aconteceram os avanços previstos para a conclusão dos trabalhos referente a reestruturação do plano de carreira no prazo estabelecido (31/3).

“Na última reunião antes da greve, em 15 de maio, o governo nos apresentou verbalmente alguns pontos, que eram a repetição da proposta apresentada em dezembro de 2010. Ou seja, as negociações não avançam”, completou Marina.

Parados desde 17 de maio, os professores federias realizam uma greve histórica, que teve início com a adesão de 33 instituições federais de ensino superior (Ifes). Atualmente, são 51 Ifes com as atividades suspensas. A previsão é de que o número cresça essa semana, já que mais instituições estão com indicativo de paralisação.

“Queremos a reestruturação da carreira. Em substituição à atual, com muitos níveis, defendemos uma estrutura mais simples, que valorize o trabalho docente e permita oferecermos ensino de qualidade. Para isso precisamos também de condições de trabalho, de salas de aula, laboratórios, bibliotecas”, afirmou Marina.

Além do plano de carreira, os professores denunciam e reivindicam solução imediata à precariedade vivenciada nas instituições federais de ensino, consequência de uma política de expansão desordenada e sem qualidade via Reuni.

Mobilização

Nesta terça-feira, durante a realização da reunião, o Comando Nacional de Greve do ANDES-SN deve organizar uma manifestação em frente ao prédio do Ministério do Planejamento. O ato deve ocorrer em conjunto com o Comando Local de Greve (CLG) da Universidade de Brasília (UnB).

Em todo o país, os CLG realizam atividades, sob o tema “Educação de Qualidade: Namore essa ideia”, numa alusão ao dia dos namorados. Aulas públicas, debates, ato-shows, passeatas, abraços simbólicos às reitorias também ocorrem durante toda a semana nas diversas Ifes do Brasil.

Fonte: Andes-SN

Ato reúne universidades federais em greve no centro de São Paulo nesta terça (12)

Uma manifestação das universidades federais em greve pela valorização da educação pública será realizada no centro de São Paulo, nesta terça-feira (12). O ato contará com representantes de docentes, estudantes e servidores técnico-administrativos da Unifesp e da UFABC, e busca dialogar com a sociedade as principais reivindicações da paralisação que atinge instituições federais de ensino superior em todo país. A manifestação será realizada em frente à BM&F Bovespa (rua XV de novembro, 275), a partir das 11 horas. Após a manifestação, os docentes da Unifesp realizarão uma assembleia geral para debater os rumos da greve, na praça do Pátio do Colégio.

A pauta central da greve nacional dos docente, já deflagrada em 51 das 59 universidades e institutos federais, é a valorização da carreira da categoria, uma das mais desprestigiadas dentro do serviço público federal. Nesta terça (12), o ANDES-SN e representantes dos professores serão recebidos oficialmente pelo Ministério do Planejamento pela primeira vez desde o início da paralisação, em 17 de maio.

A partir de hoje (11), cerca de 30 sindicatos de diversas categorias do serviço público federal também iniciam uma greve. Entre as entidades que aprovaram o início da paralisação está a FASUBRA, representante nacional dos servidores técnico-administrativos das universidades federais. O fato pode representar o começo de uma greve geral em tais instituições como não se vê há mais de uma década. A greve estudantil já foi deflagrada total ou parcialmente em cerca de 30 federais e na Unifesp já atinge cinco dos seis campi.

Ato das universidades federais em greve pela valorização da educação pública
Quando: Terça-feira (12), às 11 horas
Onde: Em frente à Bolsa de Valores (BM&F Bovespa), rua XV de Novembro, 275
Pauta: Valorização da educação pública e da carreira docente

Assembleia Geral dos docentes da Unifesp
Quando: Terça-feira (12), às 13 horas
Onde: Na praça do Pátio do Colégio
Pauta: Rumos da greve docente na Unifesp