Arquivo diários:27 de maio de 2012

Comunidade Unifesp realiza ato em defesa da educação pública nesta segunda (28)

Docentes, estudantes e servidores técnico-administrativos de toda a Unifesp realizarão um ato nesta segunda-feira, às 12h, no vão-livre do MASP pela valorização da educação pública. A manifestação na avenida Paulista busca sensibilizar a população para a greve nacional dos docentes das universidades federais. A paralisação já atinge 47 dos 59 institutos e universidades federais e tem como principal reivindicação a valorização da carreira da categoria, comparativamente, uma das mais desprestigiadas dentro do serviço público federal.

Na Unifesp, todos os campi estão parados. Os docentes de Diadema iniciaram a greve já no dia 17 de maio, junto com a deflagração do movimento nacional, e outros quatro campi – Baixada Santista, São Paulo, Osasco e São José dos Campos – paralisaram suas atividades acadêmicas a partir do dia 23. No último dia 25, os professores de Guarulhos também aderiram à greve.

Após a deflagração do movimento docente, os discentes da Unifesp também se mobilizaram. Os estudantes de Diadema estão em greve e os de São Paulo aprovaram um indicativo de paralisação a partir do dia 29 de maio. O campus Guarulhos já vive uma greve estudantil há quase dois meses, reivindicando melhores condições de educação e políticas de acesso e permanência. Os alunos dos demais campi realizam assembleias nos próximos dias e também podem aderir à mobilização.

Os servidores técnico-administrativos das universidades federais também debatem entrar em greve nas próximas semanas, o que transformaria a mobilização atual na primeira greve geral nas instituições federais de ensino superior em mais de uma década.

Até o momento o governo federal não tem se mostrado disposto a abrir o diálogo com os professores em greve. Nesta segunda-feira (28), seria realizada uma reunião do Grupo de Trabalho que negocia a reestruturação da carreira dos professores federais, mas a mesma acabou desmarcada de última hora e sem nenhuma justificativa.

Manifestação da comunidade Unifesp pela valorização da educação pública
Quando: segunda-feira, 28 de maio, a partir das 12 horas
Onde: concentração no vão-livre do MASP, na avenida Paulista

Docentes da Unifesp debatem continuidade da greve em Assembleia nesta terça (29)

Quase uma semana após o início da greve, docentes de toda a Unifesp voltarão a se reunir para debater o andamento do movimento. Esta Assembleia Geral ocorre após a realização de plenárias locais que organizaram a paralisação em cada campi. A greve dos professores já atinge toda a Universidade e esta é a primeira vez que ocorre uma paralisação unificada entre os seis campi da Instituição. A assembleia acontece nesta terça-feira (29), às 10 horas, no Anfiteatro A, do campus São Paulo.

A última Assembleia Geral, realizada no dia 22, contou com a presença de mais de 200 docentes de todos os campi e a deflagração da greve foi aprovada sem nenhum voto contrário e com 16 abstenções. O campus Guarulhos era o único que não havia optado naquele momento pela greve. Entretanto, a paralisação na unidade foi aprovada na assembleia local realizada sexta-feira (25), quando os docentes decidiram parar as atividades acadêmicas a partir de segunda-feira, dia 28.

A greve na Unifesp integra um movimento nacional que já conta com a adesão de 47 das 59 instituições federais de ensino superior. A principal reivindicação é uma efetiva negociação com o Governo Federal acerca de melhorias na carreira dos docentes. Nesta segunda-feira, 28, deveria ocorrer uma nova reunião para debater o tema, entretanto o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão cancelou o encontro sem apresentar justificativa às entidades representativas dos professores.

Após a deflagração do movimento docente, os discentes da Unifesp também se mobilizaram. Os estudantes de Diadema estão em greve e os de São Paulo estão com indicativo de paralisação a partir do dia 29 de maio. O campus Guarulhos já vive uma greve estudantil há quase dois meses, reivindicando melhores condições de educação e políticas de acesso e permanência. Os alunos dos demais campi realizam assembleias nos próximos dias e também podem aderir à mobilização. Os servidores técnico-administrativos das universidades federais também discutem iniciar uma greve nacional.

Assembleia Geral dos Docentes da Unifesp
Quando: terça-feira (29), às 10 horas
Onde: Anfiteatro A, do campus São Paulo (Rua Botucatu, 740, Subsolo)
Pauta: Greve docente na Unifesp

Com docentes de Guarulhos em greve, todos os campi da Unifesp estão parados

Reunidos em assembleia na última sexta-feira (25), os professores do campus Guarulhos decidiram aderir à paralisação docente que já ocorre nos demais campi da Unifesp. Na plenária, os professores decidiram iniciar a greve a partir de segunda-feira (28), quando chegará a 47 o número de  universidades e institutos federais paralisados em função da greve nacional, que reivindica a valorização da carreira da categoria.

Durante a Assembleia Geral dos docentes realizada na última terça-feira (22), que deflagrou a greve na Unifesp, vários professores de Guarulhos acabaram se abstendo, devido principamente à situação particular do campus, que vive uma greve estudantil há quase dois meses. No entanto, passados alguns dias, a assembleia docente local acabou aprovando a adesão à paralisação com 40 votos a favor, 3 contra e 6 abstenções.

Um ato com a presença de todos os setores da comunidade Unifesp será realizado nesta segunda-feira (28), às 11h30, no vão-livre do MASP, na avenida Paulista. O protesto marcaria mais uma rodada de negociações sobre a carreira docente, que deveria acontecer na segunda, com a presença do Andes-SN e de representantes do governo. No entanto, a reunião foi cancelada em cima da hora pelos Ministérios envolvidos, sem a apresentação de nenhuma justificativa.

Na Unifesp, uma nova Assembleia Geral reunindo professores de todos os campi acontecerá na terça-feira (29) para debater a continuidade do movimento. A plenária será realizada às 10 horas, no Anfiteatro “A”, do campus São Paulo.