Arquivo mensais:Janeiro 2012

Carta de Manaus sintetiza luta do ANDES-SN para 2012

O documento apresentado ao final do 31º Congresso do ANDES-SN, que aconteceu entre os dias 15 e 20 deste mês em Manaus (AM), apresenta um resumo das deliberações e traz também uma síntese dos eixos que devem nortear as ações do Sindicato Nacional neste ano de 2012.

A carta destaca a centralidade da luta, aprovada pelos 323 delegados presentes no evento, definida na “defesa da educação pública em todos os níveis, gratuita, laica, universal e com padrão unitário de qualidade e de condições de trabalho, carreira docente, salários dignos, fortalecendo o ANDES-SN como legítimo representante sindical dos docentes das IES, a partir da intensificação da organização de base e da unidade das lutas com o conjunto do movimento social autônomo e classista”.

O texto também aponta para o crescimento da entidade, com a homologação de várias seções sindicais durante o 31º Congresso “resultado do intenso trabalho de base e de concordância com os princípios de liberdade, autonomia e democracia sindical”. Saúda a inscrição de chapas concorrentes ao processo eleitoral para a direção do Sindicato Nacional, que, segundo a carta, demonstra o vigor da organização da entidade.

Ao finalizar, ressalta que “Sob a égide das políticas deliberadas e do plano de lutas aprovado, o ANDES-SN fortalece o movimento, articulado com os trabalhadores, em defesa da Educação Pública e Gratuita e de Qualidade socialmente referenciada, cimentando sua profunda relação com cada professor de sua base, pautado firmemente nos princípios de autonomia e democracia que têm garantido a existência e permanência do Sindicato entre as forças políticas da transformação e construção de uma sociedade igualitária, humana e criadora da paz e da justiça”.

Veja aqui a íntegra do documento.

Fonte: ANDES-SN

31º Congresso do ANDES-SN começa no domingo (15), em Manaus (AM)

Durante seis dias, mais de 350 professores de todo o país devem se reunir na capital amazonense para debater a conjuntura nacional e internacional e apontar ações que tenham por objetivo evitar que as conseqüências da crise econômica mundial recaiam sobre os trabalhadores. Esta é uma das principais responsabilidades delegadas aos participantes do 31º Congresso do Sindicato Nacional dos Docentes de Ensino Superior (ANDES-SN), que acontece entre os dias 15 e 20 de janeiro, na cidade de Manaus (AM).

“Iremos nos reunir para discutir estratégias de combater a forma como o Estado busca se desvincular da responsabilidade na implementação e manutenção de políticas públicas essenciais à sociedade, com foco nos direitos dos trabalhadores e, principalmente, na Educação, que para o ANDES-SN deve ser pública, gratuita e de qualidade”, explica Marina Barbosa, presidente do Sindicato Nacional. O resultado dos debates irá compor o plano de lutas do ANDES-SN para 2012 e pautar as ações do Sindicato neste ano.

Desafios

Na avaliação da presidente do ANDES-SN, 31º Congresso será realizado no momento de grandes desafios para a educação brasileira e para a classe trabalhadora. Marina destaca que o encontro também deve se debruçar sobre o Plano Nacional de Educação 2012-2020 (PNE), que está sendo discutido pela Câmara dos Deputados, e deve ser votado em fevereiro.

“A expansão da Educação Pública a qualquer custo, mas sem garantir qualidade, precisa ser fortemente combatida. Em várias partes do mundo a população foi às ruas exigindo melhorias na educação. O grande desafio é que essas reivindicações se transformem em ações”, ressalta Marina.

A presidente do ANDES-SN observou ainda que com o quadro de crise mundial que se aprofunda, a retirada de direitos sociais é umas das saídas que têm sido erroneamente usada em países da Europa para acalmar os ânimos do mercado. “Tal alternativa também vem sendo aplicada, com menos alarde, pelo governo brasileiro em diversos níveis, com a privatização dos hospitais públicos, tentativa de finaceirização da previdência dos servidores, congelamento de salários, entre tantos outros. Devemos nos manter combativos a esta prática”, observa.

Manaus

Esta é a segunda vez que o ANDES-SN realiza um evento nacional da entidade em Manaus. No ano de 1993, os professores se reuniram na cidade para a realização da 12º Congresso do Sindicato Nacional. Desta forma, a Amazônia e as lutas locais serão novamente destaque nos debates dos professores universitários que participam do encontro.

De acordo com o professor Francisco Jacob Paiva da Silva, da comissão organizadora do 31º Congresso e 2º vice-presidente da regional Norte I do ANDES-SN, o fato do evento ser realizado em Manaus permite que os docentes participantes tenham um olhar mais real sobre o território amazônico e desmistificar a imagem folclórica do local tão divulgada pela mídia e possam vivenciar a realidade desta região tão importante e ao mesmo tempo desconhecida. “Além disso, consolida cada vez mais o caráter nacional do ANDES-SN e permite aos professores e ao próprio sindicato ter uma compreensão maior da realidade brasileira”, complementa.

O professor ressalta ainda que o evento vai ajudar a pautar questões relevantes como qualidade da educação e direitos sociais sob a perspectiva nacional. “Sempre que o ANDES-SN realiza um evento isso tem um impacto positivo na cidade, pois além de influenciar o debate, pelo menos na área da educação, a imprensa local tem a possibilidade de conversar com grandes nomes do cenário nacional, integrantes do ANDES-SN, que pensam a educação brasileira”, observa.

Metodologia

O evento será dividido em atividades nos grupos mistos, a preparação e a realização das plenárias. Serão debatidos os seguintes temas: movimento docente e conjuntura; centralidade da luta; políticas sociais – política educacional, gerais e direitos e organização dos trabalhadores; questões organizativas e financeiras; plano de lutas – geral, educação, direitos e organização dos trabalhadores; plano de lutas – setores.

Fonte: ANDES-SN

Plebiscito por 10% do PIB para educação recolhe 420 mil votos

O Plebiscito Popular pela aplicação do valor de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação pública contou com cerca de 420 mil votantes. Os dados são do Comitê Nacional da Campanha realizador do pleito, cuja apuração aconteceu no final de 2011. Cerca de 99% dos participantes se posicionaram a favor dos 10%. A votação ainda continuará em alguns estados até fevereiro, quando o Plano Nacional de Educação (2011-2020) deve começar a ser votados no Congresso Nacional. São Paulo foi o Estado com mais participantes, cerca de 160 mil.

A avaliação das entidades coordenadoras do plebiscito é que o resultado foi positivo. Elas devem realizar uma manifestação em Brasília no dia 7 de fevereiro, quando acontece a votação do novo PNE na comissão especial que trata do tema, e entregar as listas de participantes do Plebiscito Popular ao Congresso Nacional. A Campanha também pretende realizar no segundo semestre de 2012, o 6º Congresso Nacional de Trabalhadores e Estudantes para discutir a política educacional do governo Dilma Rousseff e uma possível atualização do PNE elaborado pela sociedade brasileira na década de 1990.

O relator do PNE na comissão especial, deputado Ângelo Vanhoni (PT-PR), apresentou uma proposta de investimento de 8% do PIB apenas em 2020, incluindo programas que transferem recursos públicos para a educação privada, como Prouni, Pronatec e Fies. A proposta recebeu mais de 140 emendas dos demais parlamentares, que devem ser votadas após a aprovação do relatório, também a partir de fevereiro. A reivindicação histórica dos movimentos sociais de educação é investir 10% do PIB imediatamente e apenas em educação pública.

Conselho de Entidades realizou Plebiscito na Unifesp

As urnas abertas pelo Conselho de Entidades da Unifesp em quatro campi recolheram cerca de 3200 votos. Estudantes, servidores técnico-administrativos e docentes participaram do plebiscito, que ainda contou com votos de usuários do Hospital São Paulo e da população próxima da Instituição. Na baixada santista, por exemplo, a campanha foi realizada em um cursinho pré-vestibular. Em São Paulo foram recolhidos a maioria dos votos, 2049; seguido de Diadema, 503; Santos, 395; e Guarulhos, 253. A amplíssima maioria dos votos, cerca de 99%, se posicionou a favor dos 10%.

Com informações do ANDES-SN (www.andes.org.br)