Arquivo diários:10 de junho de 2011

Nova gestão assume com desafio de fortalecer Adunifesp nos campi

Com a posse da nova diretoria da Adunifesp, no dia 03 de junho, a entidade é presidida pela primeira vez por uma docente de um dos campi da expansão da Instituição. A professora da Baixada Santista, Virgínia Junqueira, foi eleita para o biênio 2011/2013 e conta com outros 13 colegas de gestão. A cerimônia aconteceu no Auditório Leitão da Cunha, no campus da Vila Clementino, e foi seguida por um coquetel de confraternização na sede da entidade.

A professora Maria José Fernandes, agora ex-presidente, iniciou a cerimônia fazendo um balanço de sua gestão e chamando à mesa a presidente eleita e o Diretor de Imprensa e Comunicação, professor Francisco Lacaz. “É com a sensação de dever cumprido e com satisfação que constatamos que a entidade cresceu e consolidou sua presença nos campi da expansão”, avaliou. A docente parabenizou a nova diretoria e prestou uma homenagem às secretárias Roseli e Andréa pelos anos de trabalho dedicados à Adunifesp. Agradeceu ainda às assessorias jurídica, de comunicação e contábil, e fez menção ao professor Vilmon de Freitas, ex-presidente da Associação, falecido há um ano.

A luta por uma expansão com qualidade foi ressaltada pela nova presidente, Virgínia Junqueira, como uma das prioridades de sua gestão. A professora destacou inclusive as reivindicações por uma política consistente de permanência estudantil: “também é uma questão nossa”, defendeu. Ela enfatizou o caráter simbólico da ocupação da presidência por uma representante de um dos novos campi e afirmou ser fundamental aproximar cada vez mais a entidade dos docentes, garantindo o respeito à diversidade e lutando pela democratização e descentralização do poder na Instituição.

A defesa da carreira dos professores das federais será outra prioridade da nova gestão. A professora criticou as iniciativas regressivas do governo e defendeu a proposta elaborada pelo ANDES em seu último congresso, realizado em fevereiro. Além disso, a intensificação do trabalho docente e o “produtivismo” acadêmico estiveram presentes no discurso. “Queremos discutir a aceleração do ritmo que afeta não só os docentes, como os servidores técnicos em educação e os estudantes”, concluiu.

O Reitor Walter Albertoni também compôs a mesa da cerimônia e congratulou a professora Virgínia e a nova diretoria. Ele ressaltou o momento especial da Instituição, com a consolidação de sua expansão. “A nova presidente ser de um dos novos campi é sintomático”, afirmou. Para Albertoni, os últimos anos foram de dificuldades para a Unifesp, mas estas já estariam sendo superadas. Ele concluiu enaltecendo a relação democrática entre Adunifesp e a Universidade. “Podemos ter divergências, mas é fundamental o nosso diálogo e ação conjunta”, disse.

A chapa-única “Autonomia, Democracia, Qualidade e Comprometimento na Diversidade dos Saberes” foi eleita entre os dias 16 e 18 de maio e obteve a aprovação de 89,30% ou 151 dos 169 docentes que votaram. Outros nove associados votaram em branco e nove anularam. Ainda no dia 18 do mesmo mês, uma assembleia aprovou a prestação de contas da gestão que encerrou.