Arquivo diários:11 de junho de 2010

Entidades reafirmam posição sobre crise do Campus de Osasco

A nota de esclarecimento publicada pela Reitoria no sítio da Unifesp sobre o episódio do Campus de Osasco contém pelo menos duas inverdades. A primeira é que o Conselho de Entidades teria conhecimento da possibilidade de despejo da FAC/FITO para abrigar o novo Campus na cidade, quando da repercussão da notícia pela imprensa. A segunda é que teria havido um acordo entre a direção da Faculdade Municipal de Osasco e a comunidade local que protesta contra a entrega do prédio. Portanto, é preciso esclarecer que:

1. O Conselho de Entidades da Unifesp reitera que só tomou conhecimento do episódio de despejo da FAC/FITO pela prefeitura de Osasco através da imprensa, em matéria publicada pelo jornal O Estado de São Paulo, no dia 16 de abril de 2010. Portanto, se o fato foi informado na reunião do Conselho Universitário em 12 de maio, foi feito com quase um mês de atraso. Reafirmamos que, nesse meio tempo, recebemos e escutamos representantes da comunidade FAC/FITO que, indignados com a possibilidade do despejo, lutam legitimamente pela sobrevivência da faculdade municipal.
2. Diferentemente do que diz o esclarecimento da Reitoria, a nota da Direção da FAC/FITO não representa um acordo entre as partes. É mais uma peça de contra-informação da prefeitura de Osasco. A comunidade local continua protestando indignada com a possibilidade de perder seu campus e recebe com descrença e ceticismo o que promete a administração municipal. Uma assembléia de professores e alunos realizada no dia 21 de maio e com a participação de mais de 500 pessoas votou por unanimidade que não seria formada nenhuma comissão para discutir um novo prédio. O movimento de defesa da faculdade prepara inclusive um mandado de segurança contra a doação do prédio da FAC/FITO.
3. É importante esclarecer também que a Direção da FAC/FITO é representada por pessoas ligadas à prefeitura de Osasco, ou seja, à administração que abandonou nos últimos seis anos aquela instituição. Portanto, não é esta declaração – estranhamente publicada com entusiasmo no sítio da Unifesp – que resolverá a gravíssima possibilidade de fechamento da faculdade municipal. Esperamos que a nossa universidade esteja agindo para que realmente o episódio tenha um desfecho favorável para todos.
4. Defendemos a expansão da educação superior pública do país, porém, é preciso financiamento, democracia e qualidade. Portanto, não é possível continuar os atuais problemas, como a possibilidade de despejo da FAC/FITO, uma faculdade municipal com mais de 40 anos de serviços prestados à comunidade de Osasco. Esperamos sensibilidade no desfecho de mais este lamentável episódio envolvendo a Unifesp.

Conselho de Entidades da Unifesp (Adunifesp, APG, DCE e Sintunifesp)