Arquivo mensais:abril 2010

Encontro Regional de Comunicação do Andes acontece na Unifesp

O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN) e a Adunifesp Seção Sindical realizam neste final de semana, dias 23, 24 e 25 de abril, o Encontro Regional de Comunicação da entidade. Estarão reunidos representantes do movimento docente de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Goiás e Distrito Federal, além de assessores de comunicação de diversas Seções Sindicais.

O encontro é parte de um processo de construção e fortalecimento da comunicação do Sindicato Nacional e das Seções Sindicais e que culminará no 3º Encontro Nacional de Comunicação do Andes-SN, em Brasília, nos dias 21, 22, 23 de maio de 2010. Mais informações na Adunifesp Seção Sindical. A participação é livre.

Docentes elegem nova diretoria do Andes nos dias 11 e 12 de maio

O Andes-SN realiza eleição nos próximos dias 11 e 12/5 para escolha da sua diretoria para o biênio 2010-2012, período em que a entidade comemora seus 30 anos de existência. Embora duas chapas tenham se inscrito durante o 29º Congresso do Sindicato Nacional, realizado em Belém (PA), de 26/1 a 1/2, apenas a Chapa 1, “Andes Autônoma e Democrática” cumpriu, no prazo determinado pelo Regimento Eleitoral, as etapas necessárias à homologação da chapa.

Sem homologação

A chapa 2, “Andes para os Professores” teve a homologação negada, por unanimidade, pela Comissão Eleitoral Central (CEC). Os motivos foram vários. A chapa apresentou apenas 67 dos 83 nomes necessários para compor a nominata. Destes, 12 eram candidatos a secretarias regionais diferentes da base territorial das Seções Sindicais às quais estão vinculados. Por fim, 16 dos termos de compromisso entregues não eram originais ou não apresentavam documentos para comprovação da autenticidade da identidade e da assinatura.

Comissão Eleitoral Central

A CEC é presidida pelo 1º tesoureiro do Andes-SN, José Vitório Zago, e tem a secretária-geral do Sindicato, Solange Bretas, como suplente. Também integram a CEC os professores Maria do Céu de Lima (CE), Adilson Gil Tavares (PR) e Edson Domingues Fagundes (PR), eleitos pelo 29º Congresso como representantes da base. Além destes, participa o professor Antônio de Pádua Bosi, como representante da Chapa 1. O professor Adson Ferreira da Rocha, representante da Chapa 2, não pode permanecer na CEC, em razão da não homologação da chapa que representava.

Chapa 1

A única chapa apta para a disputa, “Andes Autônoma e Democrática”, tem como candidata à presidente a professora Marina Barbosa Pinto (ADUFF-SSIND), a secretário-geral o professor Márcio Antônio de Oliveira (APES-JF- SSIND), e a 1º tesoureiro o professor Hélvio Alexandre Mariano (ADUNICENTRO- SSIND). Outros 80 docentes integram a chapa.

Confira aqui a nominata completa da Chapa 1

Eleição nacional e direta

A eleição para a Diretoria do Andes-SN acontece simultaneamente em todas as regiões do país. Cada Seção Sindical constitui uma Comissão Eleitoral Local (CEL), que organiza o processo de votação e a apuração na sua base, respeitando o Regimento Eleitoral. A apuração dos votos será iniciada e concluída no dia 13/5, em horário pré-fixado pela CEL. Os resultados da apuração das Seções Sindicais devem ser encaminhados à CEC, impreterivelmente, até às 16 horas do dia 14/5. A totalização dos votos será iniciada imediatamente após o fim deste prazo. Cabe salientar que o ANDES-SN é organizado pela base da categoria, por meio das Seções Sindicais. Todos os sindicalizados votam diretamente para eleger os seus dirigentes.

Quem pode votar

De acordo com o Regimento Eleitoral, podem votar os docentes sindicalizados ao Andes-SN até 10/2 e que estavam com suas contribuições em dia até o dia 15/3. Os docentes sindicalizados via Seções Sindicais reorganizadas poderão votar desde que tenham se recadastrado até 10/2. Segundo informações repassadas à CEC pelas Seções Sindicais, cerca de 62 mil docentes estão aptos a participar do processo eleitoral.

Fonte: Andes-SN

“A democracia perdeu”, afirmam entidades sobre novo Estatuto

Reforma do Estatuto: a democracia perdeu!
Carta do Conselho de Entidades à Comunidade UNIFESP

No dia 31 de março de 2010, o Conselho Universitário (CONSU) concluiu as votações da Reforma do Estatuto da UNIFESP. Apesar de mais de dois anos de debates para a elaboração de uma proposta que contemplasse os anseios da comunidade, o resultado final demonstra que o projeto de democratização da universidade foi derrotado. Particularmente nas últimas votações, presenciamos um golpe por parte de alguns membros do Conselho, interessados em manter a hegemonia do Campus da Vila Clementino à frente da Instituição. Sempre ressaltamos que era impossível que um órgão de membros vitalícios votasse sua própria “dissolução”, no sentido de construir uma Universidade Democrática.

O Conselho de Entidades cumpriu papel importante durante todo o processo da Reforma, debatendo com a comunidade e apresentando propostas das categorias para que o novo Estatuto garantisse uma Unifesp pública, gratuita, democrática e de qualidade. Construímos amplamente o Fórum de Debates realizado em 2009, buscando entender as diversas necessidades da universidade e defendê-las em torno de pautas aprovadas por consenso naquele espaço. Sempre defendemos que o novo Estatuto fosse formulado por instâncias mais amplas, como um Congresso Estatuínte ou mesmo por fóruns deliberativos e não meramente consultivos.

O resultado demonstra um claro desrespeito às posições da grande maioria da universidade e uma postura autoritária da Reitoria em impor uma estrutura de unidades universitárias nunca antes discutidas. Apenas no dia da votação final das Disposições Transitórias foi apresentado o projeto de criação de seis unidades, sendo duas na Vila Clementino (Escola Paulista de Medicina e Escola Paulista de Enfermagem) e uma em cada um dos outros campi. Questionado, o Reitor Walter Albertoni afirmou que esta proposta fora elaborada pelo Presidente da Comissão de Reforma do Estatuto e Vice-Reitor, Ricardo Smith, na noite anterior à reunião do Consu. Desta forma, percebemos um movimento de rearticulação de alguns professores titulares previamente às reuniões, para manterem seus “status” e o centro do poder na Vila Clementino.

A composição final aprovada para o CONSU enquadra-se na orientação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação, e, infelizmente, cumprir a lei já foi um avanço muito significativo para esta universidade. Isto é, 70% de professores e 30% das demais categorias. Além da supremacia dos docentes na composição do Conselho, se garantiu ainda, uma reserva de 50% destas vagas para a minoria dos titulares, perpetuando a direção destes sobre a Instituição. É importante salientar que esta medida também enfraquece a descentralização de poder na Unifesp, já que a ampla maioria dos titulares pertence aos quadros do Campus da Vila Clementino. Além disso, a cadeira cativa destes professores foi mantida nas congregações dos departamentos e das unidades universitárias, uma herança autoritária do antigo Estatuto.

O Conselho de Entidades continuará defendendo os interesses da comunidade universitária, disputando um projeto claro de universidade pública, gratuita, de qualidade e, sobretudo, democrática. Lutaremos pela inclusão no Regimento Geral da eleição direta para todos os dirigentes da Instituição, como chefes de departamento e diretores de campus e unidade; a possibilidade de formação de novas unidades universitárias, a partir da construção coletiva realizada em cada campus, sem limitar este debate ao número de professores titulares ou de livre-docentes; e a efetiva implementação do Conselho de Assuntos Estudantis como uma Pró-Reitoria, com financiamento público adequado e uma política definida democraticamente. Divulgaremos amplamente os resultados desta Reforma e suas conseqüências, onde couber – como no Artigo 40, Inciso IV, que fala em cobranças de serviços – questionaremos a validade e a legalidade do Estatuto aprovado, e realizaremos debates e consultas à Comunidade Unifesp, sempre defendendo o seu caráter público e democrático.

Conselho de Entidades da Unifesp (Adunifesp, APG, Amerepam, DCE)

Unifesp realiza parceria com a Cinemateca Brasileira

Durante o ano de 2010, uma parceria firmada entre a Universidade Federal de São Paulo e a Cinemateca Brasileira realizará sessões educativas acadêmico-culturais voltadas para a formação de público e à discussão dos principais temas relativos às ciências humanas. Todo o terceiro sábado de cada mês, às 14 horas e 30 minutos, o Projeto Univercine ocupará a Cinemateca Brasileira, na Vila Mariana, para a projeção de um filme, seguido de debate com a presença de professores da Unifesp e convidados.

A segunda sessão do projeto ocorre no dia 17 de abril, com a exibição da obra São Paulo, a Symphonia da Metrópole e os debatedores serão os professores da Unifesp, Luis Ferla, de História, e Andréa Barbosa, de Ciências Sociais. A mediação é de Mauro Rovai. A Cinemateca fica no Largo Senador Raul Cardoso, 207, entre a Avenida Sena Madureira e o Metrô Vila Mariana. Mais informações pelo telefone (11) 3512-6111 (ramal 215). A atividade é gratuita e a entrada livre.

Entidades pedem veto da Reitoria ao aumento do bandejão

Conselho alerta para o fato de o aumento no restaurante universitário do Campus da Vila Clementino estar em descompasso com uma política de permanência estudantil adequada, já tão insuficiente na universidade.

Carta do Conselho de Entidades à Comunidade Unifesp

Em ofício ao Reitor Walter Manna Albertoni, o Conselho de Entidades da Unifesp solicitou o veto da administração universitária ao reajuste do bandejão do Campus da Vila Clementino, afirmando que tal ação está em descompasso com uma política adequada de permanência estudantil e que deve vigorar em todos os cinco campi de nossa instituição. Portanto, reivindicamos um acordo de subsídio entre a universidade e a SPDM, para que o preço da refeição continue sendo de R$ 2,49 (Dois Reais e Quarenta e Nove Centavos).

É importante deixar claro também, que as categorias organizadas neste Conselho de Entidades não foram chamadas para qualquer discussão sobre reajuste dos preços e tão pouco está presente na comissão do Restaurante Universitário. É fundamental que a Unifesp dê prioridade máxima para as questões de permanência estudantil e assistência à comunidade e que os graves problemas relacionados ao tema e presentes em todos os campi sejam rapidamente solucionados. Neste sentido, esperemos que brevemente, o Conselho de Assuntos Estudantis (CAE), recém-aprovado na Reforma do Estatuto Universitário, esteja funcionando a todo vapor.

Conselho de Entidades da Unifesp (Adunifesp, Amerepam, APG, DCE, Sintunifesp)