Arquivo da categoria: Notas e Moções

Pelo reenquadramento dos docentes provenientes de outras universidades federais

O ingresso dos docentes na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), mesmo provenientes de outras Instituições Federais de Ensino Superior, ocorre no primeiro nível de vencimento da classe A, sem continuidade na carreira do Magistério Superior.

Como trata-se de um plano de carreira comum a todas universidade federais, a Associação dos Docentes da Unifesp (Adunifesp-SSind) defende e reivindica além do reconhecimento e reenquadramento dos docentes na classe, patamar e nível pertinente, que sejam pagos aos docentes todos os valores retroativos referentes à diferença entre os vencimentos do enquadramento na classe que ingressaram e a classe que ocupavam na Instituição Federal de Ensino Superior de origem.

Continue lendo Pelo reenquadramento dos docentes provenientes de outras universidades federais

Moção das Entidades da Unifesp em repúdio à participação truculenta da Polícia Militar na Audiência Pública no campus Baixada Santista

As entidades representantes das categorias da Unifesp – Associação dos Docentes (Adunifesp), Sindicato dos Trabalhadores (Sintunifesp), Associação dos Pós-Graduandos (APG-Unifesp) e Comitê de Mobilização dos Estudantes – vêm a público manifestar-se em repúdio à participação truculenta da Polícia Militar durante a Audiência Pública convocada pelo Conselho Estadual da Condição Humana para discutir o texto do Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos de São Paulo em 11 de agosto de 2017.

Depois de perderem uma proposta, militares agrediram verbalmente professores e estudantes. Nas votações subsequentes, intimidaram-nos fazendo pessoalmente a contagem dos votos e filmando, fotografando e olhando de modo ameaçador cada um que votava contra a posição deles.

Nesse sentido solicitamos uma posição da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, bem como uma apuração e providências pela Corregedoria do Estado de São Paulo e Ouvidoria da Polícia Militar sobre a natureza da participação dos membros da polícia militar na referida audiência.

Entidades da Unifesp reunidas em Plenária Comunitária no dia 16/08/2017

Moção das Entidades da Unifesp em defesa do Hospital São Paulo

As entidades representantes das categorias da Unifesp – Associação dos Docentes (Adunifesp), Sindicato dos Trabalhadores (Sintunifesp), Associação dos Pós-Graduandos (APG-Unifesp) e Comitê de Mobilização dos Estudantes – vêm a público manifestar-se em defesa do Hospital São Paulo, com as pauta de retomada imediata e permanente do repasse da verba do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (REHUF) e a ampliação do orçamento destinado ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Entendemos que o repasse do Ministério da Educação anunciado no dia 15 de agosto de 2017 de R$ 10,8 milhões como compensação financeira pela suspensão das verbas do REHUF não alteram significativamente o quadro de insuficiência orçamentária crônica do HSP (dívida chega a R$ 120,00 milhões), muito menos indica qualquer reversão no quadro de ataques ao serviço público da saúde. Os problemas se acumulam e se estendem por todas as dimensões do hospital prejudicando desde o atendimento ao público, às condições de trabalho dos servidores e celetistas, assim como de ensino e pesquisa dos residentes.

Nesse sentido reforçamos a defesa do Hospital São Paulo e do serviço público de saúde.

Entidades da Unifesp reunidas em Plenária Comunitária no dia 16/08/2017

Moção das Entidades da Unifesp em repúdio à proposta de alteração do Projeto da UNILA

As entidades representantes das categorias da Unifesp – Associação dos Docentes (Adunifesp), Sindicato dos Trabalhadores (Sintunifesp), Associação dos Pós-Graduandos (APG-Unifesp) e Comitê de Mobilização dos Estudantes – vêm a público manifestar-se em repúdio à emenda aditiva n. 55 à MP 785/2017, proposta pelo deputado Sérgio Souza (PMDB/PR), por ferir a autonomia universitária assegurada pela LDB e pela Constituição Federal, ao impor total alteração do projeto e missão da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), com sede em Foz do Iguaçu (PR).

A UNILA foi criada pela lei Lei 12.189/10 aprovada por unanimidade no congresso Nacional, “tendo como missão institucional específica formar recursos humanos aptos a contribuir com a integração latino-americana, com o desenvolvimento regional e com o intercâmbio cultural, científico e educacional da América Latina, especialmente no Mercado Comum do Sul – MERCOSUL”.

A Emenda Aditiva representa forte afronta ao Estado Democrático de Direito, agravada pelo subterfúgio de escamotear a extinção de uma universidade numa Medida Provisória que trata de tema de natureza absolutamente distinta – no caso, o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES).

Nesse sentido reforçamos o repúdio à emenda aditiva que ataca o projeto da UNILA e manifestamos completo apoio à universidade, seu projeto e identidade.

Entidades da Unifesp reunidas em Plenária Comunitária no dia 16/08/2017

Plenária Comunitária da Unifesp: R$10 milhões não resolvem os problemas do HSP!

As entidades representantes das categorias da Unifesp – Associação dos Docentes (Adunifesp), Sindicato dos Trabalhadores (Sintunifesp), Associação dos Pós-Graduandos (APG-Unifesp) e Comitê de Mobilização dos Estudantes –, reuniram-se em plenária comunitária nessa quarta-feira dia 16 de agosto de 2017 para discutir a crise do Hospital São Paulo (HSP) no âmbito local e os ataques aos serviços públicos como educação e saúde no âmbito nacional. Compartilhando as especificidades de cada categoria e buscando a construção da luta conjunta afirmaram a insuficiência dos R$10,8 milhões repassados pelo Ministério da Educação à Unifesp para auxílio dos serviços do HSP, decidindo pela manutenção da mobilização em defesa do hospital, exigindo a retomada imediata do repasse em definitivo e permanente da verba do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (REHUF) e a ampliação do orçamento destinado ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Continue lendo Plenária Comunitária da Unifesp: R$10 milhões não resolvem os problemas do HSP!

NOTA DE REPÚDIO DIANTE DO OCORRIDO NO CAMPUS BAIXADA SANTISTA

Manifestamos nosso mais profundo repúdio ao que ocorreu na Universidade Federal de São Paulo, Campus Baixada Santista, na noite de 11 de agosto de 2017, durante a Audiência Pública convocada pelo Conselho Estadual da Condição Humana para discutir o texto do Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos de São Paulo.

Desde às 18h o campus foi ocupado por policiais, muitos fardados e inicialmente armados (foi exigido que guardassem as armas). A calçada do portão principal ficou abarrotada de viaturas da Polícia Militar. A comunidade acadêmica que ali se encontrava para as atividades diárias tinha pouca informação a respeito e ficou estarrecida quando soube que se tratava de uma audiência em que seriam definidos os rumos da educação em direitos humanos e, mais ainda, quando compreendeu que os policiais militares (que a esta altura chegavam a quase cem) defendiam a proposta de eliminar conteúdos fundamentais à educação pública. Estes bradavam por “direitos humanos aos humanos direitos”, “mudar a nomenclatura Ditadura Militar de 1964 para Revolução de 1964”, “retirar a discussão de gênero nas escolas”, etc.

 

Continue lendo NOTA DE REPÚDIO DIANTE DO OCORRIDO NO CAMPUS BAIXADA SANTISTA

Em defesa do projeto pedagógico e contra o ataque à Unila

A direção da Adunifesp vem a público se manifestar em desagravo à emenda aditiva n. 55 à MP 785/2017, proposta pelo deputado Sérgio Souza (PMDB/PR), por ferir a autonomia universitária assegurada pela LDB e pela Constituição Federal, ao impor total alteração do projeto e missão da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, com sede em Foz do Iguaçu (PR).

A Unila foi criada pela lei Lei 12.189/10 aprovada por unanimidade no congresso Nacional, “tendo como missão institucional específica formar recursos humanos aptos a contribuir com a integração latino-americana, com o desenvolvimento regional e com o intercâmbio cultural, científico e educacional da América Latina, especialmente no Mercado Comum do Sul – MERCOSUL”.

A Emenda Aditiva nega qualquer consulta aos servidores e servidoras da UNILA e ao seu corpo discente, que tem trabalhado incansavelmente para colocar a Universidade, com seu projeto inovador, entre as melhores do país, com a terceira colocação no Índice Geral de Cursos do MEC, em 2015.

O deputado Sérgio Souza é um notório representante do agronegócio, que tem recorrido a motivos xenófobos e à distorção de informações para impetrar este golpe à autonomia universitária e à integração latino-americana, que foi proposto de maneira sorrateira e sem qualquer discussão pública ou consulta à comunidade universitária.

A Emenda Aditiva representa forte afronta ao Estado Democrático de Direito, agravada pelo subterfúgio de escamotear a extinção de uma universidade numa Medida Provisória que trata de tema de natureza absolutamente distinta – no caso, o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES).

O acirramento da crise política e a necessidade da continuidade do movimento contra as reformas


A Associação dos Docentes da Universidade Federal de São Paulo (Adunifesp-SSind) vem a público manifestar-se pela fundamental necessidade de darmos continuidade à luta contra a precarização das Universidades Federais e contra as reformas trabalhista e da previdência, ainda mais nesse contexto de acirramento da crise política. Não aceitamos o ilegítimo governo de Michel Temer, por isso reforçamos a bandeira pela sua imediata saída. Mas tampouco podemos aceitar que um governo substituto deste, saído de arranjo espúrio (seja provisório, seja por via de “eleição” indireta etc), termine de aprovar e implementar as reformas previdenciária/trabalhista e o desmonte dos serviços públicos. Exigimos a retirada imediata de todas as (contra) reformas! Reivindicamos, por isso, que haja voz e direta participação da população através de eleições diretas para decidir os rumos políticos do país. População esta que na sua maioria rechaça as reformas propostas pelo Executivo e pelo Congresso Nacional.  Nesse sentido a Adunifesp-SSind reforça, em âmbito nacional, a importância do Grande Ato em 24 de maio de 2017 para ocupar Brasília contra as reformas da previdência e trabalhista e, em âmbito local, a necessidade de seguir os esforços de mobilização e integração entre as universidades públicas do estado de São Paulo e entre as categorias da Unifesp para barrar toda e qualquer iniciativa que retire direitos da população, defendendo a educação e saúde públicas.

Diretoria da Adunifesp-SSind

Moção em defesa do Hospital São Paulo como hospital universitário


A Associação dos Docentes da Unifesp (Adunifesp-SSind) vem a público se manifestar em defesa do Hospital São Paulo como hospital universitário. A crônica crise orçamentária do Hospital São Paulo, que obrigou seu fechamento parcial e a diminuição considerável de seu atendimento ao público por conta de falta de materiais básicos e condições mínimas de trabalho, vem na esteira de uma amplo processo de ataque e desmonte dos direitos conquistados e expressos na Constituição de 1988, especialmente o direito à saúde pública de qualidade. Esse processo se agravou com o anúncio dos Ministérios da Saúde e da Educação sobre o fim do repasse de verbas do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (REHUF), fundamental para o fortalecimento das atividades de ensino, pesquisa e assistência. Sem esses recursos a crise é ampliada. Entendemos que a alternativa de se tornar um hospital filantrópico fragilizaria a relação com a universidade, ampliando a possibilidade de privatização de uma maior parcela de seus serviços. A Adunifesp-SSind reforça a defesa do Hospital São Paulo como hospital universitário, pleiteia sua federalização com administração pela universidade e ainda reivindica plena transparência em sua gestão.

Adunifesp-SSind

Nota de pesar

É com pesar que a  Diretoria da Associação dos Docentes da Universidade Federal de São Paulo vem comunicar o falecimento do sr. Iveraldo Bello e Silva, pai do professor Carlos Alberto Bello e Silva, docente do campus de Guarulhos e diretor da Associação.
Nesse momento de tristeza, expressamos nossos sentimentos de pesar e nossa solidariedade ao estimado colega e a seus familiares.
O Velório será às 11hrs e o sepultamento às 17hrs dessa terça-feira no cemitério Gethsemani do Morumbi
Diretoria da Associação dos Docentes da Universidade Federal de São Paulo